MULHERES GRÁFICAS SE MOBILIZAM CONTRA O ATAQUE PATRONAL E GOVERNAMENTAL AOS SEUS DIREITOS

mulher1

Diferente do que muitas pensam, os direitos dos gráficos à cesta básica, PLR e até aos específicos das trabalhadoras, como auxílio-creche, falta abonada para acompanhar filho ao médico, estabilidade após gravidez, não são efetivos. Todos estes direitos estão na Convenção Coletiva de Trabalho da classe. Por isso, tem validade só de um ano. Para mantê-los, apenas através da campanha salarial – período que trabalhadores e  patrões se enfrentam para definir o novo salário, mas também como ficarão os referidos direitos. Este ano, o cenário será ainda mais difícil do que 2015, já que os patrões contam com apoio do presidente interino do Temer relativo à flexibilização de direitos trabalhistas. Pois, o governo defende a terceirização da mão de obra dos gráficos e quer dá ao patrão o poder de negociar até mesmo direitos abaixo das leis trabalhistas, contidas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). As conquistas do passado só serão mantidas e outras inseridas se a categoria entrar na luta com os sindicalistas. O Comitê Feminino do Sindigráficos sabe bem disso e já entrou na luta. As sindicalistas visitarão às trabalhadoras nas suas empresas, alertando do risco e da necessidade de participarem a fim de garantirem os direitos e proporem a inclusão de mais benefícios. A ação iniciará pelas gráficas Gonçalves, D’arth, Oceano, Nova Página, Jandaia e Emepê. As visitas começarão na terça (2) e quarta-feira (3). 

bingo4As sindicalistas do Comitê Feminino estarão na frente da Gonçalves, D’arth, Oceano e Nova Página na próxima terça-feira (2). Será entregue parte dos direitos da Convenção Coletiva da categoria, com destaque aos benefícios voltados especificamente para as trabalhadoras. A ação se repetirá no dia seguinte, nas gráficas Jandaia e Emepê. “Vivemos um momento de crise econômica, política e institucional. E isso interferirá na nossa campanha salarial. É preciso que cada uma trabalhadora saiba do seu papel neste processo, a fim de contarmos com a sua participação, o que será o fator fundamental para obtermos sucesso nas negociações”, destacou Valeria Simionatto, coordenador a do Comitê do Sindigráficos.

pauloO advogado do Sindigráficos, Paulo Afonso de Oliveira, aproveita para destacar seis cláusulas da convenção da classe (22º, 40º, 43º, 44º, 54º e 66º) voltadas às trabalhadoras gráficas. O auxílio-creche para filhos de até 3 anos (22º); regras para revista íntima (40º); direitos de igualdade e de condições para concorrer a qualquer cargo. (43º); estabilidade no emprego até cinco meses após o parto (44º); faltas sem prejuízo no salário, para cuidar do filho de até 12 anos (54º); e a empresa deve ter absorventes à disposição da mulher em caso de emergência (66º).

ESTA2“A Campanha Salarial começará e é preciso que a classe saiba do risco que correm de perder direitos se não entrar nesta briga junto conosco do sindicato. E o direito específico das profissionais é um desses em risco. Alem disso, nada avançaremos  se a participação e a luta da categoria não forem proporcionais ao tamanho do que se pretende conquistar.  É por isso que as trabalhadoras devem participar mais para opinar e lutar por suas propostas específicas”, alerta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Ele antecipa que no final do próximo mês, já ocorrerá  a primeira assembleia geral para a definição da pauta de reivindicação. O encontro será realizado no dia 28 de agosto na sede do Sindigráficos.

bingo7“Vamos lá, meninas, aproximem-se das sindicalistas do Comitê quando estiveram na frente de sua empresa e conversem com elas. Denunciem algum problema que vivem na empresa. Falem se o auxílio-creche não está sendo garantido e/ou outros direitos”, orienta Cidinha Reis, gráfica da Nova Página, dirigente do Sindigráficos e integrante do Comitê. Ela aproveita para reforça o convite para participarem da Assembleia Geral. Na ocasião, as trabalhadoras poderão sugerir e aprovar as pautas em sintonia com a realidade desta parcela feminina da classe, que equivale a certa de 25% nas empresas do segmento em Jundiaí e toda a Região.