MULTINACIONAL EVERLUX VOLTA A MUDAR HORÁRIO DOS GRÁFICOS E CRIA DIFICULDADES PARA ELES ESTUDAREM

Embora esteja em 60 países e exista há 19 anos no Brasil, em Bragança Paulista/SP, a gráfica multinacional Everlux, do setor de sinalização em segurança, voltou a prejudicar os seus trabalhadores brasileiros com a mudança de horário outra vez e sem negociação prévia. A alteração tem prejudicado o estudo de muitos dos profissionais, os quais ficaram com grande dificuldade de chegarem nas escolas após largarem. O Sindicato dos Gráficos (Sindigráficos) já acionou a empresa em defesa da classe.

A Everlux decidiu agora que todos largassem uma hora depois das 17h. Porém, foi a própria empresa que havia padronizado anteriormente esse horário do fim do expediente, levando os trabalhadores a se adequaram à época e sem denúncia ao sindicato. Muitos empregados decidirem estudar no turno noturno. Contudo, com essa nova mudança de horário laboral, tendo o término às 18h, ficarão prejudicados os estudos desses profissionais, diante das dificuldades de chegarem nas aulas em tempo.

A empresa está instalada em Bragança Paulista desde março de 2005. Ela alega que os funcionários foram consultados e aceitaram mais esta troca de horário (mudou das 7h às 17h para das 8h às 18h). Apesar das explicações, profissionais denunciaram a alteração para o Sindigráficos, onde descobriu que muito trabalhadores estudam e serão prejudicados. Foi então que a entidade solicitou à gráfica a manutenção do horário dos profissionais que estudam. A Everlux, por sua vez, sinalizou dificuldades da logística em sua produção. Mas ficou de levar o caso para a decisão final da matriz em Portugal – país europeu onde fica sua diretoria sênior.

Diante disso, o Sindicato aproveitou para sugerir a necessidade de fazer um acordo coletivo de trabalho relativo à jornada de trabalho na unidade da Everlux em Bragança Paulista. “O acordo visa garantir transparência referente aos horários de serviço e evitará prejuízo para os profissionais e para a empresa”, diz Jurandir. O dirigente aproveita para convocar os gráficos da local para entrarem nesta luta em defesa deles mesmos. O primeiro passo é pela sindicalização pra fortalecerem o sindicato na luta.