NA ÂNSIA DE REDUZIR SALÁRIO, GRÁFICA TOMA INVERTIDA DO SINDICATO DEPOIS DE CONFESSAR, SEM NOTAR, REDUÇÃO ANTERIOR

Com ou sem pandemia, o piso salarial do gráfico é de R$ 1.674,20. Logo, até agosto, quando estará em vigor a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, negociada pelo Sindigráficos, nenhum trabalhador pode ganhar menos. Porém, infelizmente, há empresas que tentam infligir a regra. Mas, normalmente, são denunciadas ao sindicato pelos próprios empregados. O órgão de classe age politicamente ou judicialmente contra a ilegalidade. Um novo caso de pagamento abaixo do piso surgiu nesta semana. O curioso é que, desta vez, a informação não veio dos profissionais, mas da própria gráfica que, no desejo de reduzir ainda mais a renda de parte dos funcionários, com base na perversa medida provisória do governo federal, revelou que os gráficos estão recebendo 18% a menos todos os meses.

Ao invés de pagar salário mensal de R$ 1.674,20, a empresa Baptistella & Seaglia Serigrafia em Itatiba, mas conhecida por SB Silk Estamparia, só pagava R$ 1.377,20. Pela relação repassada pela gráfica, três gráficos recebem apenas isto. Este valor está abaixo do piso em cerca de 18%. O Sindigráficos, por sua vez, não sabe desde quando isso acontece, porque nenhum trabalhador denunciou a situação anteriormente. Contudo, desde o ano de 2012, que a empresa está regularmente cadastrada no sindicato.

Diante da inusitada autodeclaração de culpa, o Sindigráficos já notificou a empresa e cobrou as regularizações. “Ao invés de redução salarial com base na medida governamental, a SB Silk primeiro precisará é se corrigir. Já cobramos o reajuste de 18% na renda dos trabalhadores, bem como o pagamento das diferenças salarias dos últimos meses e anos a contar do período em que o piso tem sido desrespeitado”, fala Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato da classe em Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região.

Embora os trabalhadores não denunciaram a questão, seja por não saber sobre a existência do piso salarial, ou por outros motivos, o Sindigráficos reforça a todos que existe este direito garantido na convenção, a qual tem força de lei no Brasil. Portanto, inicialmente, já constatamos que têm três gráficos que devem ter reajuste imediato de 12%, no lugar de diminuição como desejava a SB Silk. “Somente depois da correção e pagamento das diferenças é que ela pode falar em medida do governo”, realça Leandro.

A Convenção Coletiva de Trabalho é voltada para toda a categoria. Além disso, o sindicato disponibiliza advogado gratuito ao gráfico sindicalizado. O Sindigráficos estuda inclusive entrar com um processo judicial em caso da empresa não se regularizar e se os trabalhadores estiverem dispostos.