NOVA FLEX PAGARÁ HORAS-EXTRAS FEITAS NA SEMANA DO SÁBADO FERIADO E GRÁFICA PRECCISA DEVE PLR DE NOVO

nova1

Cada gráfico da Nova Flex, em Itupeva, receberá no salário de setembro um valor adicional de 7h20 em horas-extras. A empresa confirmou este pagamento diante da cobrança do Sindicato da categoria (Sindigráficos) durante reunião na quarta-feira (24/08). Esta quantidade de horas-extras se refere ao tempo já trabalhado pelos gráficos durante a semana que antecedeu o sábado feriado da Revolução Constitucionalista (9/07), mas a empresa deixou de fazer o pagamento, contrariando uma cláusula sobre esta questão, contida na Convenção Coletiva de Trabalho da classe. Ainda foi questionado sobre o valor do vale-alimentação pago no local, onde a empresa se comprometeu em adequar no mês de outubro. A gráfica Preccisa, em Vinhedo, também entrou na lista do Sindicato por sonegar outra cláusula. Os funcionários da empresa disseram que ela não pagou a 1ª parcela da  Participação dos Lucros e Resultados (PLR). Uma reunião foi solicitada por sindicalistas para tratar da irregularidade.

nova2“A Nova Flex pagará estas 7h20 horas-extras porque não diminuiu este mesmo tempo na jornada de trabalho durante a semana que antecedeu o feriado em questão”, explicou Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos. O dirigente conta que a empresa, assim como a maioria delas, costuma elevar 7h20 na jornada semanal dos gráficos para compensar o sábado. Mas, quando o sábado é um feriado, não tem o que compensar. Logo, toda gráfica é obrigada a pagar tais horas adicionais se manter jornada ampliada. Por isto que a Nova Flex fará o pagamento das horas-extras no dia 5 de outubro. A hora-extra deve ser de 65% da hora do dia normal.

nova3O sindicalista ainda cobrou da empresa a atualização do valor do vale-alimentação pago aos trabalhadores do local. Atualmente está defasado. É pago apenas R$ 98, quando o valor mínimo com base na convenção da categoria deve ser de R$ 128. O valor é definido pelo somatório dos produtos da cesta básica comercializados nos supermercados da cidade onde a gráfica está instalada. Depois de questionamentos e explicações, a dona da Nova Flex compreendeu a questão e aumentará para R$ 130.

A Preccisa é outra gráfica que precisa corrigir a sua sonegação a outra regra da convenção. O sindicalista Valdir Ramos já convocou inclusive a empresa para apresentar uma solução para a pendência no pagamento da 1ª parcelada da PLR, atrasada desde 5 de abril. O problema é que a Preccisa é reincidente nesta irregularidade. “Em 2014, foi questionada pelo mesmo motivo, além do não registro profissional de trabalhadores”, relembra Ramos, explicando que somente assim ela resolveu a questão.