NOVAS DENÚNCIAS DE ASSÉDIO NA SERVCAMP SURGEM APÓS SAÍDA DE CONSULTORIA QUE TINHA GESTOR AUTORITÁRIO

servicamp1 servicamp2

Novas reclamações de pressão e abusos contra gráficos da empresa Servcamp, em Valinhos/SP, chegaram ao órgão de classe da categoria (Sindigráficos) na última semana. O motivo não está mais relacionado aos abusos do antigo consultor que foi desligado depois da paralisação dos funcionários há algumas semanas, mas o assédio agora pode está associado a falhas na logística da empresa em relação à aquisição de matéria prima para a produção, alterando abruptamente as horas de serviço dos funcionários, como apontou as denúncias ao sindicato. Ou seja, em função da crise financeira a gráfica tem enfrentado dificuldades para a aquisição de insumos e de cumprir a programação da produção no período habitual, dentro do expediente normal de serviço. Assim, ao chegar a matéria-prima, os gráficos são pressionados para fazer horas-extras de forma abusiva. Além disso, a empresa passou a demitir e não pagar as respectivas verbas rescisórias como determina a lei trabalhista.

servicamp5O Sindicato foi até a empresa na última semana. Na ocasião, conversou com funcionários e descobriu outras broncas e já solicitou que a gráfica se reúna com os sindicalistas esta semana para resolver as questões.  “Aguarmos que a Servcamp sinalize esta semana a data que virá até o sindicato para tratarmos dos problemas apontados pelos trabalhadores”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Ele avisa que se isso não acontecer, buscará junto aos empregados outras formas para evitar a pressão e abusos contra os gráficos, como apontam as reclamações.

Além dos assédios em função da pressão para fazer os serviços quando a matéria prima chega na empresa, há irregularidades em relação ao pagamento das verbas rescisórias dos funcionários demitidos. “Há seis gráficos que foram demitidos e não receberam nada até agora”, conta Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos. O dirigente diz que cobrará até as multas por descumprir a legislação trabalhista. A primeira multa é em relação ao descumprir o artigo 477 da CLT e a outra diz respeito à CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) – pagamento da multa quando demite o trabalhador há 30 dias da data-base da categoria.

servicamp4FGTS

A Servcamp também acumula irregularidades em relação ao FGTS dos seus funcionários. A empresa não recolhe o direito dos trabalhadores há mais de dois anos. O Sindicato abordará o problema quando houver a reunião, mas, se a empresa não fizer logo um contrato de parcelamento da dívida junto à Caixa Econômica, o órgão não descarta a possibilidade de entrar com uma ação na Justiça para garantir o pagamento do FGTS. 

servicamp3Auxílio- Combustível

A gasolina já aumentou diversas vezes nos últimos tempos, mas a empresa não reajustou o valor do auxílio-combustível, que é concedido aos funcionários que usam o seu carro para ir ao serviço e não pegam o vale-transporte. O valor do benefício é o mesmo há três anos. O Sindigráficos reivindicará  que haja um aumento de acordo com todos os reajustes na gasolina, a fim do trabalhador não acumular o prejuízo.