NOVO GESTOR DA LOG&PRINT, EM RESPEITO AO SINDICATO E AOS EMPREGADOS, PAGARÁ HORAS-EXTRAS NO PRÓXIMO DIA 5

Diferente da direção anterior da Log&Print que não cumpria as promessas e acordos, o novo gestor responsável por essa gigante do setor gráfico, o acionista e diretor financeiro, Caio Gracco, promete mudanças e diálogo com o sindicato. Já se reuniu pessoalmente na entidade e assumiu alguns compromissos para reestruturação da empresa e garantia do cumprimento de todos os direitos dos 600 trabalhadores da unidade em Vinhedo/SP. A promessa começa a ser cumprida. Em resposta à cobrança sindical sobre pendências no pagamento das horas-extras e FGTS durante a pandemia, o gestor, em um telefone na última semana, garantiu toda a quitação das horas-extras de mais de 100 gráficos já na folha de pagamento deste mês.

“Nos garantiu o pagamento das horas-extras no próximo dia 5, quando é feito também o pagamento do salário de novembro. A empresa devia tais horas porque vinha descumprindo um acordo firmado com o Sindigráficos deste fevereiro. O novo gestor inicia diferente da antiga direção que não cumpriu alguns acordos. Ele também começa bem no quesito diálogo conosco, o qual se autoencarregou desta tarefa em nome dos outros dois diretores executivos”, diz Leandro Rodrigues, presidente do sindicato da categoria.

Por falar em diálogo, o gestor confirmou a relocação de um trabalhador para cuidar da tarefa de comunicação com os demais empregados sobre informações relacionadas a dúvidas no holerite, sobre dados de desconto, pagamento e etc. O Sindigráficos havia revelado na conversa com Gracco sobre as dificuldades atuais do RH da empresa em relação a este tipo de questão. Em resposta, Caio promoveu um empregado para ser a interface da empresa com seus empregados, bem como também com o sindicato.

Outra pendência em processo de solução é o FGTS. Os gráficos disseram ao sindicato que o direito deixou de ser depositado durante vários meses. O gestor da Log&Print confirmou a situação. Porém, conforme a cobrança de regularização por parte do Sindigráficos, ele garantiu que a situação já está sendo resolvida, tendo inclusive uma declaração de certidão negativa sobre este débito já emitida pela Caixa Econômica Federal, a ser enviada ao sindicato. Caio garante que a gráfica já fez um contrato de pagamento parcelado junto a este banco responsável pelo FGTS dos trabalhadores.  

Caso alguém venha a ser demitido antes do término do pagamento desse contrato na Caixa, o gestor garantiu, ainda, que o FGTS será pago completo, bem como a multa fundiária de 40%. Também garantiu que as demais verbas rescisórias serão quitadas integralmente na hora da rescisão contratual de qualquer gráfico. Se houver mesmo demissão, Gracco garantiu que dará priorizada a quem desejar sair. Ele se mostrou animado em relação ao futuro da empresa. Prevê dias melhores a partir da mudança de foco em clientes medianos e não só em grandes tiragens. E adiantou que já tem conquistado novos clientes e mercados potenciais.