SOLIDÁRIO AOS GRÁFICOS DA LOG&PRINT, SINDICATO CONVIDA TODOS PARA REUNIÃO PELA VOLTA DAS CONDIÇÕES LABORAIS

Embora a Log&Print tenha passado por mudanças internas, prometendo a manutenção da atividade produtiva e o emprego, o que ocorreram, a gráfica continua sendo Log&Print, inclusive opera no mesmo parque industrial em Vinhedo. Por outro lado, tenta esquecer de que é a mesma empresa no tocante aos benefícios e condições laborais dos funcionários, negociados ao longo do tempo sob a liderança do sindicato da classe, consolidando diversas obrigações nos contratos de trabalho dos profissionais do local, como a cesta básica superior aos demais gráficos da região, o desconto menor no vale-transporte, as folgas em sábados do mês e um ambiente de trabalho saudável e sem pressão para o serviço extra no dia de folgas.

A nova gestão da Log&Print tem insistido no rompimento unilateral dessas condições. O Sindigráficos reforça a necessidade da reconsideração por parte da empresa e a negociação dos prazos para a retomada de direitos. Contudo, como a empresa mostra-se irredutível, o Sindicato, por sua vez, continua solidário aos trabalhadores e a fim de tentar mudar o quadro de mudança radical, para pior, das condições de trabalho e benefícios na mesma empresa, convocará todos os trabalhadores, associados e os que ainda não são filiados, para uma reunião onde decidirão o rumo do caso.

O encontro será na quarta-feira da próxima semana, no dia 20, em dois horários, no Sindicato dos Químicos, na rua Ricardo Braghetto. 35, no centro de Vinhedo. A primeira reunião será às 9h voltada para os gráficos do 2º e 3 turnos. Às 15h, será realizada para os trabalhadores do 1º turno. “Não pode ficar como está. É preciso encontrarmos a solução. Temos de apresentar uma alternativa já que esta direção da Log&Print não negocia nada”, pontua Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato da categoria.

“O gráfico precisa ter um ambiente saudável para trabalhar. Isso também depende de uma chefia com esse compromisso. Sempre defenderemos a manutenção do emprego, mas não é por isso que pode ser todo tipo de trabalho. É necessário ter a preocupação com a saúde e a integridade física de cada profissional no local, bem como um salário justo, a garantia dos benefícios existentes e que o empregado tenha perspectiva de futuro, ou seja, que haja promoções salariais e nos cargos e funções”, fala Luis Carlos Laurindo, advogado do Sindigráficos que acompanha este caso.

Por tudo isso, o Sindicato está convocando todos os gráficos do local para se posicionarem em busca da solução para o impasse. “Continuaremos abertos para negociar com a Log&Print, inclusive os prazos da retomada das condições de trabalho e direitos já existentes nos contratos do gráfico.

SEM TER 40 ANOS NA PRODUÇÃO GRÁFICA, MULHER FICARÁ SEM SUA APOSENTADORIA TOTAL. BOLSONARO QUER ASSIM. E VOCÊ?

Ao invés do desconto salarial por 30 anos com o INSS todo mês para ver se consegue a sua aposentadoria integral, Bolsonaro achou pouco e quer que toda profissional gráfica passe mais dez anos no acabamento gráfico ou em outro setor da empresa para obter o direito. Esse é o presente dele para todas as mulheres pelo seu dia. E isso é só uma parte da reforma da Previdência dele, cuja fez questão de entregar pessoalmente aos políticos aliados no Congresso Nacional para que aprovem. Diante da gravidade dessa proposta maléfica onde limitará a aposentadoria às trabalhadoras, será necessária uma forte reação de todas. A fim de esclarecê-las sobre o tema, o Sindicato da classe (Sindigráficos) decidiu promover a atividade Papo de Mulher por Mulher sobre o Direito de Continuar se Aposentando.

O evento, que será realizado durante a tradicional festividade do sindicato para as trabalhadoras gráficas sindicalizadas neste mês Internacional da Mulher, contará com a participação da jurista especialista em Previdência, Ana Paula Silva de Oliveira, que foi servidora do INSS por mais de uma década e integrou o Programa de Educação Previdenciária na Gerência Regional da Previdência Social de Campinas. O evento será no último domingo (31) deste mês de março, na sede regional do Sindigráficos em Jundiaí, a partir das 9h. Haverá premiações e sorteios durante a atividade.

Faz anos que o Sindigráficos realiza um bingo festivo com as profissionais gráficas sindicalizadas em referência ao Dia Mundial das Mulheres. “Mas, diante da reforma da Previdência que, se aprovada, promoverá muitos e graves problemas contra toda mulher trabalhadora que será obrigada a laborar por 40 anos, elevando o risco de doença por esforço repetitivo, além das demissões antes mesmo de completar tanto tempo no serviço, reafirmamos a relevância do evento para tratar desse tema de interesse delas mesmas”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

O evento é exclusivo para trabalhadoras sindicalizadas. A profissional que se associar até o próximo dia 25 ainda terá a oportunidade de participar do bingo festivo. “Será um bom momento de lazer das mulheres gráficas para amenizar um pouco a dureza da vida com a dupla/tripla jornada de trabalho diária”, convida a todas Valéria Simionatto, gráfica da Log$Print e diretora do Sindicato. Haverá prémios, música, bebida e comida. Será também a oportunidade de saber mais para defender sua aposentadoria.

NOVA EDIÇÃO DO JORNAL GRÁFICOS NA LUTA. CONFIRA!

A nova edição do Jornal Gráficos na Luta, veículo de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região (Sindigráficos), já está disponível no site da entidade de classe (http://sindigraficos.org/site/). O Jornal Gráficos na Luta, como o nome já diz, reúne informações através de ações sindicais junto à base de representação no período da publicação. São notícias voltadas para difundir as iniciativas constantes do Sindigráficos em defesa dos 6 mil trabalhadores gráficos da Região. Além disso, o Jornal Gráficos na Luta também se dedica para dar visibilidade as denúncias dos trabalhadores. Na Coluna Boca no Trombone, o gráfico pode denunciar as irregularidades patronais. O sigilo é garantido e o Sindigráficos vai apurar a reclamação até solucioná-la. PARTICIPE!. Confira a nova edição do Jornal Gráficos na Luta. LEIA AQUI

MAIS GRÁFICOS SEM FGTS NA OS1 RECORREM AO SINDICATO APÓS ENTIDADE RESOLVER O CASO PARA OUTROS GRÁFICOS

Poucos dias após o sindicato ter sido procurado por ex-trabalhadores da OS1, demitidos pela empresa sem o pagamento do FGTS, outro gráfico buscou apoio sindical para resolver a falha, depois que soube da solução recente dos seus ex-colegas de trabalho. Há poucos dias, o Sindigráficos havia se reunido com a empresa. Cobrou o pagamento do FGTS de todos os profissionais demitidos que tinha procurado a entidade anteriormente. E foi o que ocorreu. Foi pago não somente o FGTS pendente, mas a multa no valor de 40% do total do fundo de garantia devido, como manda a lei. Com isso, os profissionais puderam sacar este direito, como também o Seguro-Desemprego, que estava com restrições até a solução do FGTS.

Diante da repercussão positiva da ação sindical, um outro trabalhador que havia se calado anteriormente diante da mesma falha da empresa contra ele, resolveu levar o caso adiante. Denunciou a demissão sem pagamento do FGTS. A conta estava zerada como a dos outros gráficos desligados. Mais uma vez o sindicato se colocou em defesa da categoria. “Já acionou a OS1 e aguarda um retorno positivo como no caso anterior com a pronta resposta e sua solução”, informa Jurandir Franco, direito do Sindigráficos.

No caso dos primeiros gráficos também foi verificado pelo Sindicato o não pagamento da Participação dos Lucros e Resultados, que é um direito da categoria contida na Convenção Coletiva de Trabalho, válida até agosto de 2020. O Sindigráficos requereu a regularização. Embora o prazo dado foi até o final do último mês, a empresa pagou com dias de antecedência. O mesmo final foi solicitado para que ocorra com o novo caso denunciado.

Apesar da situação resolvida pela OS1 dessa vez, o Sindigráficos chama atenção para o problema da irregularidade do não recolhimento mensal do FGTS do gráfico. A lei define que seja recolhido todo mês o valor de 8% sobre a remuneração do funcionário. “Como tem surgido novos casos do mesmo problema, tudo leva a crer que os empregados da ativa no local devam estar também sem o FGTS e a PLR, o que é ilegal e pode ser um problemão para todos eles se não for quitado como nos primeiros casos já denunciados”, alerta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Para que seja encontrada uma solução efetiva do problema, o Sindicato orienta os trabalhadores ativos para se sindicalizarem em defesa de seus FGTS e PLR. Com essa demonstração de unidade da classe em torno de sua entidade representativa, a OS1 pode apresentar um levantamento da dívida com cada gráfico e negociar um prazo para efetuar o pagamento.