EM ASSEMBLEIA, GRÁFICOS APROVAM ESFORÇO DO SINDICATO ONDE EVITOU FIM DA PLR E SALÁRIO CONGELADO ATÉ AGOSTO

Ao invés do que ocorreu com centenas de campanhas salariais de várias categorias profissionais durante a crise da pandemia onde ficou zerado o reajuste dos trabalhadores por um ano, o Sindigráficos conseguiu evitar o mesmo fim durante a 5ª rodada com o patronal, na última semana. Os gráficos não ficarão com salário congelado até agosto do próximo ano. O esforço sindical foi reconhecido durante a assembleia da classe, na última semana em Jundiaí. A categoria aprovou o reajuste da renda em janeiro para todos os 5 mil trabalhadores de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região, equivalente à inflação anual referente à data-base da categoria neste ano.

O sindicato conseguiu preservar e evitar prejuízo de outra pauta financeira da classe. Mesmo com a queda da produção por conta do coronavírus, o patronal terá de pagar uma Participação nos Lucros e Resultados (PLR) baseada nos seis meses que ficaram fora da pandemia, mantendo, com isso, a cláusula da PLR na convenção para a próxima campanha salarial. Portanto, ao invés dos gráficos não receberem nada de PLR em 2021, terão o direito a uma parcela na folha salarial do mês de fevereiro. Além disso, o Sindigráficos conseguiu manter a cesta-base de alimentos, o auxílio-creche, os percentuais maiores de adicional noturno e hora-extra em relação à CLT, bem como os demais direitos econômicos e sociais da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, até agosto de 2021.

O Sindigráficos, por sua vez, queria mais. “Porém, mediante a conjuntura difícil, onde até a categoria está mais cautelosa nesta campanha diante da crise econômica sobre as empresas devido à pandemia, o resultado foi favorável aos trabalhadores, já que todos terão todos os direitos sociais e econômicos preservados, inclusive a PLR, e mais o reajuste salarial em janeiro/21, ou antes”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

De todo modo, até agora, o resultado da campanha salarial evitou que os donos das gráficas mantivessem o salário congelado até agosto de 2021. Além disso, o Sindigráficos também conseguiu evitar a retirada de direitos colocados pelos patronais através de pautas bombas na campanha deste ano. Leandro lembra que havia inclusive pauta patronal para que o piso salarial reduzisse para R$ 1, 2 mil, diminuísse o percentual do adicional noturno de 35% para 20%, e da hora-extra de 65% para 50%. Exigiram, sem êxito, até a mudança da data de pagamento salarial para 5º dia útil.

O Sindigráficos evitou o mesmo fim de negociações salariais de centenas de categorias profissionais onde fechou a campanha com reajuste zerado por 12 meses. Até agosto último, como aponta o estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 8,4% de 4 mil negociações tiveram este fim, índice bem maior que igual período em 2019, quando só 0,4% concluíram a campanha com zero de aumento.

SINDICATO AVANÇA EM MAIS ACORDOS E EXPANDE PROTEÇÃO DO GRÁFICOS COM A VOLTA DA HOMOLOGAÇÃO DE RESCISÕES

No próximo mês, completa três anos da destruição de mais de 100 direitos da CLT (Lei Geral do Trabalho no Brasil), depois da retirada da presidente Dilma. Desde então, a classe trabalhadora, não só quem está empregado, mas quem for demitido, ficou fragilizado na relação com a sua empresa. A nova lei permite a demissão sem que haja a conferência obrigatória do sindicato da rescisão contratual para fiscalizar o cumprimento dos direitos.  Apesar disso, a depender do nível de compromisso do sindicato e do grau de organização do empregado na entidade, a proteção pode ser mantida. Dependerá disso para reconquista da homologação sindical da rescisão. Mesmo pandemia, por exemplo, o Sindigráficos continua avançando em acordo em mais gráficas neste sentido. Não à toa um de cada três gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região voltou a contar com essa proteção.

“Há poucos dias, incluímos a Gonçalves na lista de gráficas que aceitaram a garantia da homologação sindical da rescisão contratual do trabalhador. O acordo garante segurança jurídica para empresa pela transparência no cumprimento e pagamento das verbas rescisórias dos gráficos. Também garante a entrega dos documentos para fins futuro da aposentadoria do trabalhador, além da proteção de sua saúde, pois evita o desligamento do gráfico doente”, celebra Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Mesmo com a pandemia, cada nova sindicalização do gráfico deixa a sua entidade de classe mais fortalecida para dar continuidade nesta e noutras lutas. Nestes três anos da lei da reforma trabalhista de Temer, o sindicato acaba de restituir a homologação sindical da rescisão contratual em cerca de 30% da classe em 28 cidades que integram a base de representação. Seja em acordos formais ou não com as gráficas, a exemplo da Bercrom, Gonçalves, Redoma, LitoBand, Inapel, D’arthy, Nova Página e Jandaia, um em cada três trabalhadores da categoria já conta de novo com esta proteção da homologação de volta por conta da atuação do Sindigráficos.

Na crise aguda da pandemia, quando houve a interrupção do comércio, houve demissões de gráficos. Dezenas foram desligados até na Jandaia, que não costuma demitir. “Mas todos demitidos puderam contar a nossa homologação e tiveram maior tranquilidade com suas verbas rescisórias e demais direitos. Também fiscalizamos as demissões em menor número em outras empresas. Analisamos os espelhos dos termos de rescisão de todos, mesmo durante o período do isolamento social por conta da covid-19”, lembra Leandro. O dirigente espera contar com o reconhecimento do trabalhador através da sindicalização para o fortalecimento da entidade.

SINDIGRÁFICOS CONVOCA TRABALHADORES PARA ASSEMBLEIA DECISIVA HOJE. ESTÁ EM JOGO OS SEUS DIREITOS, PLR E SALÁRIO. PARTICIPE!

Nesta quinta-feira (15), um dia após o patronal colocar durante a 5ª rodada de negociação salarial a sua posição final em relação aos direitos, PLR e ao reajuste salarial da categoria, o Sindigráficos promove assembleia para que os trabalhadores tomem sua posição decisiva sobre a proposta apresentada para campanha salarial 2020. A assembleia, que adotará todos os protocolos contra a covid-19, será realizada em dois horários (9h/19h) para escolha do gráfico, na sede regional Jundiaí.

SINDIGRÁFICOS DE JUNDIAI CONVOCA GRÁFICOS PARA DEFESA DE SEUS DIREITOS, PLR E PELO DESCONGELAMENTO SALARIAL

Nesta quarta-feira (14), mesmo sob a ameaça da não aplicação dos direitos superiores à CLT e do piso salarial do gráfico em função da Lei Trabalhista de Temer e do oportunismo patronal frente à pandemia que vem travando a renovação integral da Convenção Coletiva de Trabalho por mais um ano, o Sindigráficos continuará na luta em defesa da classe e somente os trabalhadores poderão dar a palavra final sobre a questão. Portanto, logo mais às 13h30, durante a 5ª rodada de negociação com os patrões, o sindicato manterá a luta pela continuidade dos direitos dos gráficos, por alguma PLR e pelo descongelamento salarial. Espera que o patronal volte atrás nestes ataques aos direitos e à renda da categoria.  Contudo, seja qual for a posição, o Sindicato convoca os trabalhadores para participarem de assembleia amanhã e decidirem os rumos da luta. A assembleia adotará os protocolos contra covid-19 e será realizada em dois horários (9h/19h) para escolha do gráfico, na sede regional Jundiaí.

“Hoje completa 44 dias que resistimos, mesmo sem a nossa convenção por causa do impasse criado pelo patronal nas quatro últimas rodadas de negociação ao insistir no ataque à PLR, piso salarial e a mais direitos dos gráficos, ameaçando a regulamentação do setor sem a convenção desde 1º de setembro, pondo em risco o conjunto de direitos históricos dos trabalhadores”, informa Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato.  

Apesar disso, o Sindigráficos não foge da luta em defesa da categoria em tempo nenhum, muito menos durante uma campanha salarial. Isso pode ser facilmente verificado nos últimos anos. Além de assembleias, o sindicato costuma realizar até paralisações nas gráficas, oportunizando negociações favoráveis não só para todos gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região, mas para todos do estado. Porém, com a pandemia, a situação está mais complicada neste ano. Todavia, a entidade reafirma sua disposição de luta mesmo assim. Não por acaso desde que iniciou a crise sanitária em março, ao invés de se isolar do trabalhador, o órgão sindical intensificou sua atuação nas empresas em defesa da categoria.

Neste espírito sindical de combatividade, mas também considerando os desafios trazidos pela crise sanitária no quesito econômico, o sindicato convoca os trabalhadores para assembleia pela garantia da convenção coletiva, por algum pagamento da PLR e o descongelamento do salário. “Seja qual for a posição do patronal hoje, avaliaremos amanhã e juntos com nossa categoria os rumos da campanha salarial”, convoca Leandro.