PATRÕES MANTÊM ATAQUES PARA REBAIXAR SALÁRIOS E PLR NOVAMENTE. REPOSTA DOS GRÁFICOS REINICIA HOJE

1

A bancada patronal não abre mão de achatar o salário e a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) dos empregados da maioria das gráficas no Estado de SP, inclusive em Jundiaí e Região. Desconsideraram a posição contrária de centenas de funcionários da Gonçalves, Log&Print, Jandaia e de outras empresas durante assembleias nos últimos dias. Os patrões não se importaram. Na 2ª mesa de negociação, realizada nesta terça-feira (8), insistiram em não reajustar a PLR pelo 2º ano seguido, deixando-a 19% menor do que era em 2014. Insistiram em rebaixar o salário. A inflação anual é de 8,5%, mas não querem pagar isso. Querem dar só 45% da recuperação salarial, a partir de 1º de novembro até abril de 2017. Ou seja, a inflação é de 8,5%, mas só darão 3,82% neste período. Serão meses com o salário e mais o 13º salário com grande defasagem. E depois desse prejuízo, a partir de 1º de maio de 2017, darão apenas mais 45% (3,82%). Ao final de tudo, darão só 90% da inflação (7,65%). Assim, o patronal se livra do prejuízo da crise e passa para os gráficos. O Sindigráficos Jundiaí reagiu. A entidade de classe lembrou da posição dos trabalhadores e da disposição de defender a classe. Mesmo assim, o empresariado não recuou do ataque ao bolso do funcionário. Disseram que era a proposta final. Assim, assembleias e outras ações em defesa do salário e da PLR da categoria voltarão a partir desta quarta-feira (9). 

2É mentira que a crise é maior para o patrão do que para o trabalhador, sobretudo quando a gráfica faz hora-extra e contrata mais funcionários. Portanto, rebaixar salários e congelar PLR novamente é um absurdo e o gráfico deve reagir para evitar a concretização desse injustiça patronal. “Gráficos, só haverá vitória se cada um fizer a sua parte. Vem pra luta!”, convoca Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos Jundiaí, que reiniciará as assembleias e não descarta as atividades paredista, como atrasar parte da produção ou paralisações longas. O sindicalista pede para que os trabalhadores estejam preparados para defender seus salários, pois é só através deste salário que se vive e mantêm a família.

3Nos últimos dias, a demonstração de resistência dos gráficos através de assembleias foram inclusive fundamentais para pressionar o patronal a tirar o ataque aos direitos preexistentes da categoria, como aviso prévio especial, PLR, hora-extra, data de pagamento salarial e até a data-base. Os patrões insistiam em acabar com tais direitos contidos na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. O Sindigráficos Jundiaí não abriu mão dos direitos. Durante a 2ª mesa de negociação, a entidade inclusive lembrou aos patrões da revolta dos empregados já demonstrada durante as assembleias na região, fazendo com que eles recuassem do ataque.

2Apesar deste recuo, nada avançou ainda. O patronal apenas retirou seu ataque aos direitos históricos dos gráficos, mas insiste em atacar a PLR e o salário. Quer congelar o valor da PLR e achatar o salário outra vez. O sindicato patronal descartou a recuperação salarial e as negociações travaram sem desfecho. Talvez, haja um nova rodada, mas nada certo. Os trabalhadores de Jundiaí e Região, por sua vez, deixaram bem claro durante as assembleias que não aceitarão perder pelo 2º ano seguido.

5“Vamos à luta, se preciso com movimentos paredistas. Retomamos hoje nossas movimentações em portas das fábricas pela recuperação salarial e da PLR”, convoca o Sindigráficos. Desde as plenárias regionais para a assembleia geral de aprovação de pauta de reivindicação da campanha salarial, que a entidade atua para resistir e evitar novo ataque patronal. Só haverá vitória se cada gráfico fizer a sua parte. Vem para a luta!