PATRONAL ATACA GRÁFICOS E QUER BAIXAR SALÁRIOS, BANCO DE HORAS, EXCLUIR PLR, MUDAR DATA-BASE E ETC.

rodada

Este foi o resultado da 1ª rodada de negociação da campanha salarial entre patrões e sindicatos dos trabalhadores gráficos no Estado de São Paulo nesta quarta-feira (26). O Sindicato patronal quer retirar os direitos e rebaixar os salários de cerca de 85 mil trabalhadores nas indústrias do setor, inclusive dos 6 mil de Jundiaí e Região, mesmo com as empresas fazendo horas-extras e muitas até contratando novos funcionários. A melhoria é tamanha que os patrões da Região de Campinas resolveram até dar ganho real nos salários e a manutenção dos direitos. Os gráficos terão um reajuste de 10% nos salários. Porém, os patrões das demais regiões do Estado foram irredutíveis. Apenas a resposta dos funcionários nas empresas pode mudar este cenário de atraso para a classe trabalhadora. Os patrões exigem baixar os salários e de forma parcelada. A inflação deve ficar em 8,5%, mas querem pagar só 6%, sendo que divididos: a metade em novembro e a outra em maio de 2017. Também querem o fim da PLR da classe; Mais dias para pagar o salário; Acabar o aviso prévio especial do gráfico; Acabar a hora-extra do pessoal do administrativo e trocar pelo banco de horas; Ainda atacam a data-base da classe, que é em novembro. Querem passar para abril.

2O Sindicato da categoria de Jundiaí e Região (Sindigráficos) não admitiu tanta agressão aos trabalhadores. Exigiu a retirada da pauta de ataques. Os empresários não retiraram. Outra rodada será realizada no dia 8/11. Outros sindicatos dos trabalhadores gráficos também estiveram presentes na primeira mesa negocial: o da capital paulista, Guarulhos, Barueri/Osasco, Taubaté, Sorocaba e até a Federação Estadual da categoria.

“Além de demorar mais de 30 dias para abrir negociações, o sindicato patronal chega com esta pauta de retrocesso, seguindo o perfil do presidente Temer que só propõe retirada de direitos e arrocho para a classe trabalhadora”, disse Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. O sindicalista é realista e alerta aos gráficos que o único meio de mudar esta situação se dará somente por meio da unidade, organização e da mobilização de todos os trabalhadores gráficos.

3Uma decretação de greve não está descartada. O risco disso ocorre é grande caso o patronal não recue do ataque aos direitos históricos da classe. Assembleias nas portas das empresas de Jundiaí e Região serão feitas vários dias até o dia 8/11, quando será realizada a 2ª mesa negocial. O gráfico deve se agrupar e participar das atividades quando o sindicato chegar na empresa, porque o que está em jogo é seu salário e direitos.

“Os empresários estarão acompanhando as nossas mobilizações e vão ver que os gráficos não abrem mão de seus salários e direitos, ainda mais quando os trabalhadores voltam a fazer horas-extras para manter a riqueza patronal e estes empresários não estão dispostos nem a recompor o salário diante da inflação”, fala Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos. A pauta de reivindicação exige apenas isso: a recuperação salarial e a manutenção dos direitos, como a PLR, cesta básica, horas-extras e etc. Mas até isso o patronal nega.

Na verdade, o patronal já quer a partir de novembro deixar de pagar os direitos da categoria, previstos na Convenção Coletiva de Trabalho 2015, se levar em consideração a decisão única de um ministro do STF (Gilmar Mendes), cujo nega a validade de tais direitos após o prazo de validade do documento. A Convenção dos gráficos do Estado vence na próxima segunda-feira (31). É por isto que os empresários não querem garantir a renovação da Convenção e a sua respectiva data-base. Com isso, a hora-extra de 65% e 100% perde a validade. A cesta básica também. O auxílio-creche e os demais. “Ainda não há consenso sobre a validade deste posicionamento, mas é certo que os gráficos perderão se não houver luta dos trabalhadores”, diz Leonardo Del Roy, presidente da Federação Estadual da categoria (Ftigesp). Até a data de pagamento salário querem mudar o dia 5 para o 5º dia útil. Só resta agora a luta! Só haverá vitória, se cada gráfico fizer a sua parte. Vem pra  Luta!