PELA RENDA DOS GRÁFICOS, SINDICATO REQUER DA SP PLACAS A COMPROVAÇÃO DO SALÁRIO COM VALOR MAIOR E PLR PAGA

A volta da inflação tem corroído a renda dos trabalhadores. A alta no preço dos alimentos, combustíveis e dos aluguéis da moradia mostra a situação. Ainda assim, as empresas, como a indústria gráfica paulista, seguraram o reajuste salarial enquanto puderam, aumentando não em setembro/20, mas só em janeiro desde ano. Apesar disso, por conta da pandemia, há gráficos que continuam com a renda congelada, mesmo com o aumento de 2,94%. Por isso, o novo piso subiu para R$ 1.723,42. Outros também não sabem que, desde o último dia 5 de março, têm direito a ganhar uma PLR com valores de R$ 329,60 a R$ 445,40. Por isso o Sindigráficos, que prioriza a luta pela vida, emprego e renda da categoria, amplificou as suas ações junto às empresas sobre tais questões, sobretudo diante das crises sanitária e econômica trazidas pela covid-19 e má gestão governamental.

A crise tem prejudicado inclusive as atividades econômicas. Desde que chegou à Itupeva e foi enquadrada sindicalmente como gráfica em 2018, a SP Placas, por exemplo, nunca foi denunciada por descumprimento dos direitos dos trabalhadores da classe. No entanto, recentemente, chegou queixas ao Sindigráficos de que o valor do salário ainda não foi atualizado e ainda não pagou a Participação nos Lucros e Resultados (PLR), o que causou espanto à entidade pelo histórico da empresa, ficando de apurar.

Felizmente, por sua vez, as reclamações apontam que o restante está em dia na SP Placas, a exemplo do depósito mensal regular do FGTS e da quitação da cesta básica baseada na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria (CCT), negociada pelo Sindigráficos em setembro de 2020 e em vigor até agosto deste ano. “Porém, como há denúncias sobre pendências na atualização do valor do salário e no pagamento da PLR, vamos buscar a gráfica para esclarecer se a situação procede para assim corrigi-la, ou comprovar que tudo está regular”, fala Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e mais 26 cidades da região.

O Sindicato reafirma o seu compromisso com a defesa da vida, emprego e renda dos gráficos. Mas também se compromete com a verdade. Logo, esclarece que a fiscalização sindical a qualquer empresa após denúncia não diz que a queixa é procedente enquanto o caso não for comprovado. “Assim, aguardamos o esclarecimento da SP Placas sobre as denúncias, bem como esperamos de todos os trabalhadores do local à sindicalização para o fortalecimento da entidade em defesa da vida, emprego e renda.