POPULISMO DO MINISTRO DE BOLSONARO COM LIBERAÇÃO DO FGTS ATIVO AGRAVARÁ CRISE ECONÔMICA E DO TRABALHADOR

A crise econômica cresce no Brasil com Bolsonaro e o desemprego bate recorde. A previsão do PIB segue para baixo pela 14º vez seguida. Nada é feito efetivamente pelo governo para a retomada do crescimento. Aliás, Bolsonaro avisa pela mídia que havia dito que não entende de economia. E parece que o seu ministro Paulo Guedes também não – este obcecado só no fim da aposentadoria do trabalhador com a reforma da Previdência. A mais nova do ministro “Tchutchuca” é anunciar a liberação do saque do FGTS inativo (este já liberado por Temer há poucos meses) e o FGTS de quem continua trabalhando – uma medida que pela pouca quantidade de milhões a ser liberado jamais resolverá o problema estrutural econômico, pois precisa da volta do crescimento industrial, este também em queda. O governo quer encobrir é a realidade: que não sabe nada de economia.

Além disso, a liberação do FGTS ativo vai gerar prejuízos para os próprios trabalhadores na hora quando forem demitidos. Ficarão sem a segurança financeira para enfrentarem o tempo desempregado. Ademais, o ministro não mencionou se quem aderir a liberação adiantada do FGTS terá direito a receber os 40% da multa do FGTS quando o patrão for demiti-lo. “Não caiam nesta armadilha. Se informem primeiro. Analisem caso a caso para depois não ficarem sem direito e dinheiro quando mais precisarem dele”, alerta Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Gráfica de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região (Sindigráficos).

As consequências negativas sobre os trabalhadores não param nisso. Tal medida provocará danos coletivos para a classe trabalhadora e também para a economia em geral. O dinheiro do FGTS, embora seja de cada trabalhador, é usado pelo governo federal para investimento em moradia popular através de Programas da Caixa Econômica Federal, a exemplo do Minha Casa, Minha Vida. “Sem o dinheiro do FGTS, como este banco público financiará a baixo custo a casa dos mais pobres neste Brasil? Isso deixará de acontecer e os trabalhadores ficarão refém dos altos juros dos bancos privados”, alerta Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos.

Com a liberação do saque do FGTS ativo, mesmo podendo parecer ser algo positivo para o trabalhador, é uma medida imediatista e que causará mais dados individual e coletivo para todos, inclusive para a economia. O setor de construção civil, por exemplo, uma das que mais empregam no Brasil, mas que também sofrem grande crise, será ainda mais penalizada com a redução dos financiamentos da Caixa para programas de moradia popular. Com tal redução, serão menos imóveis em construção e redução maior do trabalho. Assim, mais desemprego e menos gente consumindo. Logo, proporcionalmente, menor produção industrial e mais queda do PIB.