RAMI CRESCE APESAR DA CRISE E OS GRÁFICOS REIVINDICAM RENOVAÇÃO DE ACORDO SOBRE JORNADA E COM MELHORIAS

Ao contrário da crise econômica atual, a gráfica Rami, em Jundiaí, tem crescido bastante. A empresa tem sido inclusive premiada pela excelência gráfica. Acumula vários prêmios nacional. Talvez seja quem mais ganhou o Fernando Pini, que é a maior premiação do setor gráfico no país, fruto do desempenho, dedicação e qualidade dos trabalhadores do local. Já são 21 troféus Fernando Pini e tem espaço para mais. Nos últimos seis anos, o Sindicato da classe (Sindigráficos), em conjunto com os empregados e, em diálogo com a Rami, implantaram um acordo onde ameniza a jornada de trabalho. Evita inclusive o trabalho em domingos como se fossem dias normais, como propõe a medida provisória (MP 881) de Bolsonaro. A fim de renovar o acordo, vencido no último mês, todos os gráficos são convocados pelo sindicato para se juntarem em defesa dele.

Pelo acordo coletivo de trabalho (ACT), que venceu no último dia 15, não se trabalha em dias de domingo. O gráfico do 3º turno da Rami também não labora nos sábados. A jornada semanal é de segunda à sexta-feira. O gráfico do 2º turno até atua no sábado, mas pega no fim da manhã (11h15) e larga ainda de tarde às 17h. Pelo ACT, há permuta dos empregados entre os turnos. O pessoal do 1º e 2º turnos trocam entre si toda semana. Depois, passam um mês no 3º turno.

“Além disso, todos recebem um café da manhã gratuito. No início de cada um dos turnos, todos os profissionais recebem este benefício alimentício. Tudo está posto no acordo desde quando foi implementado pela primeira vez há seis anos”, ressalta Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos. Sem o ACT, este benefício não seria obrigatório e a empresa estaria bem livre referente à jornada de trabalho dos seus funcionários, sem tais garantias.

“Trabalhadores da Rami, não esqueçam dos efeitos positivos desse ACT na vida pessoal e profissional de vocês com essa jornada negociada que pode evitar inclusive os prejuízos defendidos pela medida de Bolsonaro, desde que o acordo seja renovado por mais dois anos. O Sindigráficos, no entanto, precisa da unidade e da participação de todos trabalhadores para continuar na luta contra o trabalho semanal nos sábados, domingos e feriados. A decisão sempre será do gráfico, assim como a consequência sobre os seus direitos através do fortalecimento (ou enfraquecimento) do sindicato. Sindicalizem-se!”, diz Leandro Rodrigues, presidente do órgão.

A entidade da categoria deve começar as negociações sobre a renovação do ACT com a empresa neste mês. “A participação dos trabalhadores em torno do Sindigráficos é indispensável para a manutenção dos direitos. E, a depender do nível de envolvimento e da disposição de luta dos gráficos da Rami junto do sindicato, pode-se até avançar na jornada com sábado alternados nos turnos que hoje trabalham toda semana neste dia, como é uma reivindicação de parte dos trabalhadores. Associe-se”, fala Jurandir.