SEM PONDERAÇÃO, PATRONAL PROPÕE QUE GRÁFICO ACEITE MAIS QUEDA NA RENDA SEM PLR E 0% DE REAJUSTE SALARIAL

Apesar de já ter reduzido a renda da maioria dos gráficos por meses nesta pandemia através dos acordos de redução de jornada e até a suspensão do contrato de trabalho, representantes do sindicato patronal pediram equilíbrio e ponderação do Sindigráficos e demais sindicatos da classe no estado durante a 1ª rodada de negociação nesta quinta-feira (13). Mas o que isso significa para eles? Pois, ao invés do empresariado oferecer a contrapartida diante do sacrifício já feito pelos trabalhadores, decidiram cobrar mais do lado mais explorado. Querem deixar de pagar a PLR e não reajustar o salário, mesmo com a inflação que corroeu a renda nos últimos 12 meses. De imediato, o Sindigráficos rechaçou essa proposta desequilibrada e nada ponderada e já agendou para segunda-feira (17), uma reunião com todos sindicatos interessados na negociação para organizarem a categoria para dar uma resposta à altura.

Outra rodada de negociação com o patronal será realizada no próximo dia 27. Até lá, os gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e demais cidades da base de representação do Sindigráficos já estarão sabendo do que seus patrões desejam. “Nos, do Sindicato, já deixamos claro aos empresários que não é nada ponderado não apresentar proposta de reajuste salarial, muito menos deixar de querer pagar a PLR – direito financeiro esperado pelos gráficos para compensar parte dos problemas trazidos com a queda da renda durante esta pandemia. Convocamos toda a categoria para lutar junto conosco e não aceitar mais uma redução na renda porque ampliará mais as dívidas”, alerta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

A única sinalização positiva dada pelo patronal foi que estava disposto a renovar a convenção coletiva de trabalho da categoria, mas não conforme a reivindicação dos trabalhadores. Não aceitam a volta da homologação da rescisão contratual no sindicato. Além disso, disseram que só aceitam renovar a convenção, caso o empregado abra mão de receber a sua PLR e fique sem reajuste salarial. “Ainda assim, falam para gente em equilíbrio e ponderação. Isso não existe quando só os gráficos levam isso em conta. O trabalhador só reivindicou o óbvio através da recuperação das perdas salariais e da manutenção dos direitos, mesmo depois de queda na renda por meses, enquanto o patronal nada oferece e quer tirar mais”, repudia.   

COM OU SEM PANDEMIA, O SINDIGRÁFICOS CONTINUA NA LUTA POR DIREITOS E RENDA. JUNTOS SOMOS SEMPRE MAIS FORTES!