SEMANA INICIA COM MOBILIZAÇÕES NAS GRÁFICAS PORQUE HOJE É DIA DE NEGOCIAÇÃO DA CAMPANHA SALARIAL 2016

1

A partir desta quarta-feira (26), iniciam as rodadas de negociação salarial entre empresários e trabalhadores das indústrias gráficas, em um cenário promissor onde muitas empresas melhoram a produção, inclusive, as obrigam a ampliarem a jornada de trabalho com horas-extras, enquanto que outras voltam a contratar, a exemplo da Log&Print, Oceano, Emepê, Gonçalves, CCL e da Nova Página. A quantidade de homologações de gráficos demitidos diminuíram em relação a 2015. Ainda não é o fim da crise, mas uma nova realidade já está sendo vista dentro das gráficas de Jundiaí e em outras regiões do Estado. O cenário demanda uma negociação salarial também diferente do último ano, quando houve prejuízo aos trabalhadores no auge da crise financeira, causado pelo parcelamento do reajuste salarial, resultando numa perda de 1,17% mensal. O poder de reação dos empregados precisa voltar a crescer nesta campanha salarial diante do atual restabelecimento das empresas. Assim como pagam as tintas e papéis com valores reajustados, já que a matéria prima é imprescindível para a produção, os patrões precisam garantir também a recuperação das perdas inflacionárias sobre o salário dos funcionários, já que a mão de obra também é indispensável para se garantir a produção, assim como são os seus fornecedores. Neste viés, em defesa da recuperação salarial, o Sindicato da classe (Sindigráficos) participa hoje da 1ª rodada de negociação, mas desde segunda iniciou as mobilizações nas empresas e as manterá durante toda a Campanha.

4Os gráficos de Jundiaí e Região e da maioria do Estado não abrem mão da recuperação salarial frente à inflação anual e mais os 1,17% perdido em 2015. A manutenção dos direitos contidos na Convenção Coletiva de Trabalho da classe também consta na pauta de reivindicação deles, a exemplo da garantia da PLR e seu referido reajuste e não o seu congelamento como ocorreu no ano passado. Além do restabelecimento gradual da economia, as gráficas tiveram com um incremento produtivo em face da demanda das eleições municipais. As empresas que rodam livros didáticos ainda contarão com esta demanda neste quadrimestre.

3Estes indicadores que foram melhores que os de 2015, permitiram que as empresas retomassem a produtividade, gerando até horas-extras e novas contratações, mas o discurso patronal da crise sobre o gráfico continua como se fosse 2015. “Estamos preparados para enfrentarmos este jogo duro pela frente, mas, estaremos juntos com os trabalhadores nas fábricas em defesa de nossos direitos e salários”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

2O Sindicato fará sua parte. Aliás, já começou. Desde segunda se reúne com trabalhadores nas portas de gráficas os orientando e mobilizando.  As ações iniciaram na Emepê, CCL, Gonçalves e na Log&Print e vão continuar em outras empresas. Na ocasião, os sindicalistas têm alertado inclusive que gráficos de outros estados tiveram êxito na campanha salarial, garantindo a recuperação das perdas, como em Pernambuco e também nas empresas cearenses do setor de embalagens impressas.

5“Se os patrões gráficos nordestinos já garantiram tal reajuste, apesar do poder econômico desses estados serem menor em comparação a SP, por que os empresários de Jundiaí e região não podem fazer igual?”, diz Jurandir Franco, diretor sindical. O Sindigráficos vai lutar até alcançá-lo, mas alerta os trabalhadores que só haverá vitória, se cada gráfico fizer a sua parte. A data da 2ª rodada de negociação salarial já foi definida. O novo encontro entre patrões e sindicalistas será realizado no dia 08/11.