SENADORES ALIADOS DO GOVERNO MARCAM DATA PARA DESTRUIÇÃO DA APOSENTADORIA DOS GRÁFICOS E DOS DEMAIS TRABALHADORES

A reforma da Previdência começará a ser votada no plenário do Senado, em primeiro turno, na terça-feira, dia 24 de setembro. À Agência Brasil, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça, senadora Simone Tebet (MDB-MS), explicou que o relator da proposta, senador Tasso Jereissati, ainda receberá as emendas de plenário e vai preparar um relatório referente a essas emendas. Enquanto isso, corre o prazo de cinco sessões em plenário para discussão do tema. A primeira sessão foi anteontem (10). Durante tal sessão, convidados usaram a tribuna do Plenário para criticar a reforma. Os convidados afirmaram que as mudanças vão prejudicar de maneira mais severa a população de baixa renda. Eles pediram que os senadores rejeitem ou alterem a PEC 6/2019 (reforma da Previdência) para diminuir as injustiças presentes no texto.

Crueldade – Nas palavras do estudioso Eduardo Moreira, a pior crueldade da reforma são as mudanças nas regras das aposentadorias especiais, concedidas a trabalhadores que desenvolvem atividades insalubres (como os gráficos). — Não há nada mais cruel na reforma do que a mudança nas regras das aposentadorias especiais. Quem são os aposentados especiais? É uma aposentadoria concedida ao cidadão que trabalha exposto a agentes nocivos acima dos limites estabelecidos, acima dos limites saudáveis. Se trabalhar mais do que aquilo, ele morre, ele tem um câncer, ele fica inválido. É assim que nós vamos tratar aqueles que fazem aquilo que nós não temos a coragem de fazer, aquilo que nenhum de nós se dispõe a fazer, mas aquilo que todos nós usamos? — questionou. Ele pediu para que “os senadores tenham coragem de mudar o que tem que mudar na reforma”.

FONTE: Com informações da EBC e da Agência Senado