SERVCAMP TENTA ‘MATAR’ OS GRÁFICOS DE FOME, RETIRA BENEFÍCIO, SONEGA DIREITO E HUMILHA EX-FUNCIONÁRIOS

SERVCAMP1

Se depender da Servcamp, seus gráficos podem morrer de fome. O vale alimentação mensal não foi pago este ano. E agora cortou até a refeição que oferecia aos empregados no serviço. Os funcionários também terão problemas no FGTS, mesmo sendo descontado todo mês pela empresa, pois ela não deposita como deve. Até férias acumulam sem concedê-las. E acabou de aumentar de 4% para 6% o desconto salarial relativo ao vale transporte. Além disso, 21 gráficos após laborar há algum tempo no local, foram demitidos e nada receberam pelo tempo de serviço. Eles passam necessidades. O máximo que fez o patrão foi oferecer aos ex empregados um dinheiro parcelado em 36 vezes. Tinha gráfico que só receberia R$ 180 por mês para sobreviver e sustentar a sua família. Os trabalhadores e os ex estão revoltados com tudo que esta ocorrendo. Uma greve pode ocorrer a qualquer momento. A empresa foi notificada pelo sindicato da categoria (Sindigráficos), que realizou assembleia com os empregados da ativa. E já começou a acionar a Justiça do Trabalho, com processos judiciais individualizados, em defesa dos ex-funcionários.

SERVCAMP2“Não aceitaremos, sem lutar, sonegação de direitos, nem retrocesso nas conquistas dos trabalhadores e aumento de descontos sobre o salário”, endossou durante a assembleia o presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues. Por esta razão, após a notificação de greve na última quinta-feira (3), os gráficos podem cruzar os braços. E é o que deve ocorrer a qualquer momento em defesa do pagamento da cesta básica de janeiro e fevereiro, que é pago em vale alimentação, mas até hoje não foi quite. A ação busca ainda estabelecer a refeição dada pela empresa, agora negada, bem como revalidar o desconto salarial de 4% e não de 6% como a empresa passou a cobrar. A regularização das férias e do FGTS completam a lista da insatisfação dos 60 trabalhadores da Servcamp.

O Sindigráficos também está atuando em defesa dos ex trabalhadores, mesmo a maioria não sendo filiado a seu órgão de classe, pois achavam que o patrão sempre os apoiariam. “Porém, enquanto que o sindicato é o único verdadeiro defensor do trabalhador, o dono da Servcamp deixou os seus ex gráficos ao relento e ainda ofereceu um imoral parcelamento do dinheiro que eles têm direito a receber de uma única vez logo no ato da rescisão do contrato de trabalho”, diz Jurandir Franco, alertando aos demais gráficos empregados que continuam nas indústrias sem fazer as suas filiações. Juntos, unidos ao sindicato, os gráficos ficam mais forte.

SERVCAMP3A ‘oferta’ da Servcamp de parcelar o dinheiro que os 21 ex empregados têm direito a receber pelo tempo de serviço foi encarada por eles e pelo sindicato como uma demonstração de desprezo e humilhação por parte da empresa, com quem tanto já contribuirão para o crescimento dela. “O Sindigráficos acionou seu jurídico e entrará com ações na Justiça contra a posição do patrão, a fim de garantir o direito dos gráficos demitidos”, informa Valdir Ramos, diretor sindical.

O Sindigráficos garante que não aceitará este tipo de tratamento com os ex trabalhadores e o caso parará na Justiça contra este parcelamento. O advogado do sindicato, Paulo Afonso de Oliveira, diz que seis ações dos 21 gráficos demitidos já foram protocolados na Justiça. Outras 15 devem acontecer logo em breve. Os trabalhadores estão terminado de reunir os documentos necessários para entregar aos advogados do sindicato.

SERVCAMPCada empregado demitido terá duas ações. Uma será em busca de eles receberem o dinheiro da rescisão do contrato de trabalho, com a devida liberação das guias para dar entrada no Seguro-Desemprego e FGTS. A segunda ação é para buscar garantir com que, após sentença, possam receber todo o FGTS que deixou de ser recolhido pela empresa. “Com a mudança na lei, o trabalhador precisa saber que ele só pode recorrer na Justiça pelo FGTS dos últimos 5 anos”, ressalta o outro advogado do Sindigráficos, Luisinho Laurindo. Portanto, deixar de acionar a Justiça no tempo descrito, é deixar seu dinheiro para o patrão.

Além dessa luta no âmbito judicial em defesa dos gráficos demitidos, o sindicato também está preocupado com os trabalhadores que continuam na ativa, cujos estão com problemas nos seus FGTS. Marcelo Sousa, diretor do Sindigráficos, alerta à classe que só a unidade e mobilização de todos junto com o seu sindicato podem evitar problemas maiores, até porque todos estão observando como é o tratamento da Servicamp com os ex funcionários, motivo pelo qual os gráficos procuraram o sindicato.