SINDICATO DESCOBRE DEFASAGEM DO SALÁRIO DOS GRÁFICOS DA ROTAPLAN. EMPRESA AINDA DEVE CESTA BÁSICA E PLR

Se aproxima o final de outubro, mas a Rotaplan sequer pagou o reajuste salarial dos trabalhadores no mês passado. Pelas circulares enviadas às gráficas pelos sindicatos dos patrões e dos trabalhadores (Sindigráficos), o aumento de 2,6% devia ter sido realizado desde a folha de pagamento de setembro. Contudo, ao invés de a empresa em Valinhos efetuar o encaminhamento das entidades representativas da categoria, de acordo com a campanha salarial 2019, o escritório contábil da Rotaplan criticou o sindicato pela cobrança da recomposição salarial. O Sindigráficos, por sua vez, alerta que multas são aplicáveis se for mantido o déficit salarial.

“Vamos cobrar não ao escritório, mas a Rotaplan pela defasagem salarial dos trabalhadores. A gráfica que se resolva com seus contadores. O fato é que o reajuste de 2,6% está consolidado desde quando o patronal e nós acordamos este percentual para ser aplicado a partir de 1ª de setembro. A negociação tem força de lei e abrange todas as gráficas da maioria do estado. Logo, a remuneração de outubro dos trabalhadores deve constar o aumento. E a diferença salarial de setembro deve estar também na folha de pagamento”, adianta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

O Sindigráficos também notificou a empresa para tratar de outras falhas da empresa contra a Convenção Coletiva de Trabalho da classe. Deixou de pagar a cesta básica mensal e a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) dos trabalhadores. Pelo levantamento feito no início deste mês, a Rotaplan acumulava dois meses sem a distribuição do direito alimentício. A notificação ocorreu depois que o sindicato conversou com os gráficos.

O sindicato aguarda a empresa para uma reunião na sede da entidade a fim de resolver as pendências no cumprimento da convenção da classe. “Além da cesta básica mensal, a gráfica Rotaplan também precisa efetuar o pagamento da 2ª parcela da PLR, vencida desde o dia 5 de setembro. E ainda fazer a atualização dos valores salariais e mais o pagamento da diferença salarial do último mês”, conta Jurandir Franco, diretor sindical.