SINDICATO ESCUTA MULHERES GRÁFICAS E SUSPENDE EVENTO DE DOMINGO DIANTE DO AVANÇO DO CORONAVIRUS NO ESTADO

Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa. Nunca a questão esteve tão no centro da atenção da sociedade como na atualidade diante do novo coronavirus e da sua expansão pelo mundo e no País. A situação mais crítica dentro do Brasil é no estado de São Paulo. 65% dos casos das pessoas doentes estão dentro do território paulista. O estado também já é responsável por transmissão comunitária, ou seja, quando as autoridades de saúde não conseguem rastrear a origem da infecção. Por esta razão, desde ontem, a prefeitura da capital decretou emergência. Ontem em São Paulo também morreu a 1ª pessoa no Brasil pelo Covid-19. A fim de reduzir o crescimento dessas contaminações, o governador de SP decidiu liberar do trabalho presencial os funcionários públicos com mais de 60 anos e ainda fechar os equipamentos públicos desde ontem. A orientação do Ministério da Saúde é que todos evitem a concentração de pessoas e que lavem sempre as mãos. Assim, atento à saúde também das trabalhadoras gráficas da região, o tradicional bingo das mulheres da categoria não será mais realizado neste domingo (22).

A decisão foi tomada pelo Sindigráficos depois de ouvir o posicionamento de uma parcela das trabalhadoras sindicalizadas na segunda-feira (16) – um dia após o anúncio das medidas do governador para o enfrentamento ao coronavirus no estado. “Assim que passar o surto da doença, que, infelizmente, não para de crescer no Brasil e pelo mundo, realizaremos o nosso tradicional bingo das mulheres gráficas de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região”, garante o presidente do sindicato, Leandro Rodrigues. O evento é voltado para o lazer e a formação deste segmento da categoria e acontece há uns 10 anos sempre em março em homenagem às trabalhadoras pelo Dia Internacional das Mulheres.

O Sindigráficos aproveita e pede para que todas as gráficas e jornais da região tomem as ações necessárias para evitar o crescimento do contágio dessa doença entre os trabalhadores dentro da empresa. A entidade pede ainda o envolvimento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (Cipas) nestas questões, já que também é tarefa dos empregados cipeiros o cuidado com a saúde dos funcionários no local de trabalho. O sindicato está à disposição.

“Em relação ao bingo anual das mulheres gráficas, um tema é escolhido todo ano para formação política e de gênero das participantes. Para 2020, o assunto escolhido é o crescimento de casos de feminicídio no Brasil”, conta Valéria Simionatto, diretora do Sindigráficos e funcionária da gráfica Log&Print. Uma das palestrantes do bingo há alguns anos, a coordenadora do Comitê Feminino das Trabalhadoras Gráficas do Estado de Pernambuco, Lidiane Araújo, ressalta que cresceu o assassinato de mulheres no primeiro ano do governo Bolsonaro. Uma mulher foi morta por feminicídio a cada 7 horas no Brasil em 2019, totalizando 1.314 mortes.

Ofender as mulheres é uma marca registrada desse governo machista e autoritário, que faz crescer a violência física contra a mulher”, diz Lidiane. Ela critica o perfil do chefe do Poder Executivo do Brasil: se Bolsonaro ofende as mulheres como faz, dizendo que uma mulher dará o furo (cunho sexual pejorativo), ou que não será estuprada porque é muito feia e etc., imagina o impacto disso na cabeça de outros homens? Não à toa as estatísticas mostram crescimento de mortes das mulheres.