SINDICATO PROPÕE À BOMIX UM MEIO DE EVITAR O TRABALHO DOS GRÁFICOS DA RAMI NA VÉSPERA DO NATAL E RÉVEILLON

Nos últimos dias, muitos gráficos da antiga Rami em Jundiaí, vendida ao grupo baiano Bomix, mesmo não tendo costume de procurar o Sindicato da categoria, mudaram de postura diante de uma proposta coloca pela nova direção empresarial: ou trabalha em dois domingos ou terá mesmo de trabalhar na véspera do Natal e do Réveillon. Descontentes, eles recusaram a proposta de ter de trabalhar aos domingos, preferiam folgar mesmo que fosse descontado do salário, mas isso é uma prática ilegal. O fato é que a insatisfação é geral, sobretudo depois de se dedicarem o ano inteiro para a empresa superar uma crise ampliada pela pandemia, sujeitando-se até a queda em sua renda através da redução da jornada e do banco de horas. Diante disso, os trabalhadores solicitaram o apoio do Sindigráficos para tentar mediar outra proposta e não a do trabalho nestas datas, tampouco aos domingos. A demanda já foi levada à Bomix.

O Sindigráficos, que há anos vem lutando pela manutenção e conquista de direitos e melhoria salarial dos gráficos da Rami, tendo até o acordo coletivo de jornada de trabalho firmado com os antigos donos e ainda em vigor, que foi até objetivo recente de reunião com o grupo Bomix, já partiu em defesa do conjunto dos gráficos e se reuniu ontem com o novo dono da Rami, Alexandre Rosário, e parte de sua diretoria no sindicato.

“Falei do descontentamento dos trabalhadores e sugeri que não fosse colocado o trabalho aos domingos, tampouco nas vésperas desses dois feriados, muito menos folga com desconto salarial pois é ilegal. Sugeri a liberação de todos nas vésperas de Natal e Réveillon e que essas horas fossem compensadas depois em dias normais da jornada de trabalho deles”, fala Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

A empresa ficou de analisar e apresentar sua proposta aos empregados. A Bomix lembrou que também não quer que ninguém tenha de trabalhar na véspera dos feriados, por isso propôs o labor no domingo, como fez nas outras plantas que possuem em Jundiaí e na Bahia. Ainda pontuou que têm boas perspectivas para a Rami. Já fez 44 novas contratações.  

O sindicato espera que a empresa possa atender os gráficos da Rami e leve em consideração todos os esforços que fizeram durante um ano difícil para todos. O Sindigráficos já está tratando de outras pautas com a direção da Bomix. O reajuste do defasado valor do vale-alimentação é uma das demandas. Outro é com relação à saúde do pessoal no setor do acabamento em risco diante do peso que estão sendo submetidos.

Por outro lado, Leandro alerta a todos os trabalhadores da Rami/Bomix que a falta de unidade e organização sindical dos mesmos, deixa-os mais frágeis diante de qualquer situação negocial porque fragiliza o seu sindicato, única entidade de atua na defesa da classe sistematicamente. Portanto, embora a negociação sindical já esteja em curso com a gráfica, a realidade reforça uma necessidade para que todos se sindicalizem. Somente juntos os gráficos são realmente fortes. SINDICALIZE-SE!