SINDICATO ACABA COM SOBREJORNADA NA GONÇALVES, PONDO FIM AOS 15 MINUTOS A MAIS APÓS O EXPEDIENTE

gon1

Apesar de ser uma questão cultural, existente antes mesmo de chegar em Cajamar, o Sindicato dos Gráficos de Jundiaí (Sindigráficos) acabou com a prática da empresa Gonçalves de segurar os seus funcionários 15 minutos após o expediente, o que causava muito transtorno. A notícia foi confirmada pela empresa há poucos dias aos sindicalistas que atuavam no caso desde março. O fim dessa sobrejornada resulta da parceria entre os trabalhadores, que insistiram na denúncia deste problema, e da firme atuação do sindicato junto aos representantes da Gonçalves. Com isso, os empregados terão mais tempo livre. Embora pareça pouco, não é. Os 15 minutos diários correspondem a 1h15 na semana, 5h no mês e 60h no ano (quantidade de horas superior a uma jornada semanal). O Sindigráficos, que também tem atuado para a redução do calor no local e a equiparação salarial de empregados, parabeniza a todos e reforça a necessidade dos gráficos se sindicalizem para fortaleceram a entidade de classe para buscar mais evoluções para o conjunto dos empregados.

gon2“Os trabalhadores agora vão sair 15 minutos mais cedo. A empresa já está adequando a questão”, comemora a confirmação da Gonçalves o  presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues. O papel do sindicato e dos trabalhadores foi fundamental para esta nova evolução, assim como as questões no transporte, em relação ao calor e a equiparação salarial de funcionários do local, após queixas feitas pelos gráficos. O dirigente comemora, mas adianta que questões ainda precisam evoluir, apesar, por exemplo, da promoção de funcionários do setor de Corte e Vinco, e da garantia da empresa em fazer nova aferição de calor na produção. A evolução, porém, passa pelo crescimento na quantia dos sindicalizados.

gon3“Quando existe unidade, organização e mobilização da categoria nada pode vencer isto, nem mesmo a cultural sobrejornada de 15 minutos na Gonçalves”, diz Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos. O dirigente faz um apelo aos trabalhadores para se manter e ampliar a participação em torno do sindicato para buscar a manutenção e a evolução dos direitos. Ele lembra que ainda há muito o que se avançar, visto que a empresa está cada vez mais consolidada. Portanto, os empregados precisam se sindicalizar e também entrar ‘de cabeça’ na luta da Campanha Salarial.

gon4O advogado do Sindicato, Luis Carlos Laurindo, um dos responsáveis pelo conquista do fim da sobrejornada diária na Gonçalves, reconhece a grande importância da ação para a vida dos trabalhadores com tal ajuste onde agora todos largam 15 minutos mais cedo, após a supressão de um intervalo intrajornada sem lanches ou outros benefícios. “Apesar de não evoluir na hora efetiva trabalhada, houve avanço na hora de largar”.