SINDICATO REAGE A AMEAÇA DE DEMISSÃO EM MASSA NA LOG&PRINT COM POSSÍVEIS AÇÕES JUDICIAL E PAREDISTA

log1 log2

A pressão da Log&Print, no interior paulista, sobre o órgão de classe (Sindigráficos) para aceitar a flexibilização de direitos trabalhistas, a fim de evitar demissão em massa, foi rechaçada pela entidade durante uma reunião na semana passada. O sindicato disse que reagirá a qualquer ação contra os gráficos. Para defender o emprego dos funcionários, bem como a dignidade de quem continua laborando e deve receber justos salários e benefícios, o órgão prometeu que, se demissões ocorrerem sem a devida discussão com o sindicato, em caso de necessidades diante da crise e da perda de clientes, estimulará os trabalhadores para realizarem paralisações. O Sindigráficos também antecipou que, se a empresa não resolver efetivamente o problema do calor excessivo em suas instalações, que já dura sete anos, entrará com uma ação na Justiça para reivindicar o adicional de insalubridade dos que sofrem com o problema. A renovação do acordo coletivo sobre a jornada de trabalho, que já venceu e a empresa não vinha avançando, também foi discutida. 

log3“Não aceitamos nenhum discurso de redução de emprego ou de direitos trabalhistas”, disse o presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues, logo no início da reunião com representantes da empresa. Ele adiantou que se isso ocorrer, organizará os trabalhadores para cruzar os braços. O dirigente também informou que na próxima reunião quer a presença de dirigentes da Log&Print e não de prepostos sem poder de decisão. O forte discurso do sindicalista foi uma reação a postura que a empresa vinha usando contra o sindicato. Ela pressionava a entidade para aceitar terceirizar parte dos seus funcionários e permitir reduzir o piso salarial de outra parcela do quadro profissional, a fim de enfrentar os efeitos da atual crise financeira. Sem a adoção das medidas, sinalizava a chance de haver demissões em massa. O dirigente disse que demissão só pode acontecer se não houver mais clientes, nem produção, mas ainda assim deve ser tratada com o sindicato e os trabalhadores, não simplesmente fazê-las aleatoriamente, sem critérios, ou negociações com a categoria.

log4Além disso, o sindicato também reagiu ao descaso da Log&Print para resolver o problema do calor excessivo na empresa que dura sete anos. “Vamos acionar a justiça se nada for feito em breve”, disse Rodrigues. A entidade vai solicitar que seja garantido adicional de insalubridade para os empregados que sofrem com o calor. Logo, se nada for feito rápido, a empresa terá que arcar com mais direitos trabalhistas, já que muito calor no ambiente laboral é um critério que caracteriza tal insalubridade. O sindicalista Jurandir Franco lembrou que a empresa já teve muito tempo para amenizar o calor no local, poderia inclusive ter substituído todas as telhas pelas as adequadas que absorvem as altas temperaturas.

“Com a retração do emprego frente à atual crise financeira, entendemos que não resta outro caminho para os sindicalistas e aos trabalhadores senão lutar pela manutenção do emprego e dos direitos”, sentenciou o presidente do Sindicato. Assim, o dirigente diz que a categoria reagirá contra a tentativa de retirada de direitos dos trabalhadores, lutará contra a tentativa de demissões e vai à Justiça diante do calor sobre os gráficos.

log5Jornada de trabalho

Enquanto a empresa não resolve questões em relação à cartela de seus clientes, ficou acordado com o Sindigráficos que será mantido os termos do Acordo Coletivo de Trabalho, vencido recentemente. Com isso, fica valendo benefícios importantes para os trabalhadores, como o benefício para quem trabalha nos domingos de receber 100% de hora-extra e mais o direito a um dia de folga remunerada. E também há o benefício da folga em um sábado a cada mês para os funcionários do 2º turno.