Mais de 40 mil pessoas participaram da 8ª Marcha da Classe Trabalhadora

foto da marcha abertura

Mais de 40 mil lotaram as ruas de São Paulo na 8ª edição da Marcha da Classe Trabalhadora realizada nesta quarta-feira (9). O ato foi organizado conjuntamente pela CUT e CGTB, CTB, Força Sindical, Nova Central, UGT.

A marcha reforçou a capacidade de mobilização da classe trabalhadora. Na Praça da Sé, marco zero da capital paulista, o presidente da CUT, Vagner Freitas, deixou claro aos candidatos: “quem deseja o voto dos trabalhadores, precisa defendê-los”.

O ato unitário das centrais sindicais também reforçou a pressão sobre o Executivo e o Congresso Nacional (Câmara e Senado) a retomar negociações da pauta dos(as) trabalhadores (as). As centrais já solicitaram uma audiência com a presidenta Dilma Rousseff para entregar a “Agenda da Classe Trabalhadora para um Projeto Nacional de Desenvolvimento com Soberania, Democracia e Valorização do Trabalho”, construída em 2010, durante ato unificado das centrais no estádio do Pacaembu.

“O Congresso tem de aprovar a nossa pauta. Esse é o momento. Em ano eleitoral, eles veem atrás de voto e para ter voto de trabalhador (a) tem de atender a pauta da classe trabalhadora”, disse o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas.

Unidade para essas lutas é que não deve faltar, conforme ficou claro no encerramento do ato, quando os trabalhadores filiados a todas as centrais, de mãos dadas, aprovaram de maneira simbólica a agenda da classe trabalhadora.

REIVINDICAÇÕES

As reivindicações das centrais sindicais podem ser divididas entre as bandeiras trabalhistas, que visam ampliar os direitos, e as questões estruturais, que impactam a população, como transporte, saúde e educação de qualidade.

Entre as principais reivindicações estão: redução da jornada para 40 horas semanais, fim do fator previdenciário, correção da tabela do Imposto de Renda, arquivamento do PL 4.330 e manutenção da política de valorização do salário mínimo.

Centrais marcham nesta quarta em São Paulo por pauta dos trabalhadores

Marcha

A marcha programada para a manhã desta quarta-feira (9) em São Paulo será a oitava edição da Marcha da Classe Trabalhadora, com o objetivo de chamar a atenção para reivindicações que o movimento sindical considera pendências a serem atendidas pelo Executivo e pelo Legislativo. A expectativa é reunir delegações provenientes de várias regiões de São Paulo e de outros estados, a exemplo do evento que há um ano teve participação de mais de 50 mil pessoas, em Brasília.

A atividade começará na Praça da Sé, na região central, e seguirá até o vão livre do Masp, na Avenida Paulista, percorrendo a Avenida Brigadeiro Luís Antônio acompanhada de seis caminhões de som.

Centrais ocuparão ruas de São Paulo nesta quarta em defesa da pauta da classe trabalhadora

CUT

A CUT e as demais centrais sindicais estiveram reunidas nesta segunda-feira (7), em São Paulo, para falar sobre a 8ª Marcha da Classe Trabalhadora: por mais direito e qualidade de vida, que ocorrerá dia 9 de abril e pretende reunir mais de 50 mil pessoas na capital paulista.

Para os dirigentes, a retomada da unidade do movimento sindical é fundamental para fazer avançar a pauta da classe trabalhadora, que tem como principais pontos o fim do fator previdenciário, a redução dos juros e do superávit primário, a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de salário, o combate ao PL 4330, que amplia a terceirização, e a igualdade de oportunidades para homens e mulheres.

Bingo das Trabalhadoras une diversão e conscientização

DSCN3579

O Tradicional Bingo das Trabalhadoras realizado pelo Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e região foi realizado no último dia 30 de março na Associação dos Aposentados e Pensionistas com a presença de 150 participantes. O evento foi um sucesso e a programação incluiu assuntos ligados a questões sociais das mulheres, além de oferecer um dia agradável de lazer, que incluiu premiação, show e churrasco.

Antes do início de iniciar o bingo, as trabalhadoras assistiram uma palestra com a Secretaria de Formação da CUT/SP, Telma Victor, que abordou diversos temas relacionados à situação atual da mulher no mercado de trabalho e convívio social. Ela chamou a atenção para o assédio e a violência contra a mulher. “Nossa luta é para que as mulheres estejam em todos os espaços em condições de igualdade e exercendo sua liberdade e autonomia”, defendeu.

A Secretaria de Formação da CUT parabenizou a direção do Sindicato pela iniciativa de se preocupar em fazer com que as trabalhadoras estejam bem informadas.

Veja as fotos do evento e o nome das premiadas abaixo:

Comitê das Trabalhadoras realiza sua primeira reunião

Comitê-das-Trabalhadoras

A primeira reunião do Comitê das Trabalhadoras ocorreu no dia 22 de março na sede do Sindicato em Jundiaí. O grupo iniciou com a participação de 12 trabalhadoras de diversas fábricas que se uniram para discutir questões relacionadas a políticas públicas para melhoria das mulheres gráficas.

As reuniões irão ocorrer na sede do Sindicato e as próximas datas serão definidas em breve. A participação é livre para qualquer trabalhadora da categoria.

De acordo com o presidente do STIG Jundiaí, Leandro Rodrigues, o Comitê das Trabalhadoras será um braço feminino do Sindicato no combate aos problemas das mulheres gráficas.

“Atualmente 30% da categoria é formada por mulheres e sabemos das injustiças que elas ainda enfrentam, como baixos salários e assédios morais e até sexuais, é muito importante a criação deste grupo e a participação das trabalhadoras”, destaca Leandro.

8ª Marcha da Classe Trabalhadora será no dia 9 de abril

Cut_Marcha

No próximo dia 9 de abril a CUT e as demais centrais sindicais farão uma grande mobilização em todo o país pelas reivindicações da classe trabalhadora. A 8ª Marcha da Classe Trabalhadora, principal manifestação do dia, será em São Paulo, na Avenida Paulista, maior centro econômico do país, e contará com delegações de todos os estados.  A concentração acontece a partir das 10 horas na Praça da Sé.

A CUT Regional Jundiaí está organizando caravanas com trabalhadores de suas bases para participarem da Marcha em São Paulo. Para mais informações sobre a manifestação e como participar da caravana entre em contato o escritório da CUT-Jundiaí pelo telefone (11) 4521-1297.

A PAUTA

A mobilização tratará da pauta que foi entregue em 2013 à presidenta Dilma Rousseff e não avançou. Na agenda estão reivindicações como a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de salário, o fim do fator previdenciário e a regulamentação da negociação com os servidores públicos. Confira no cartaz ao lado a pauta completa da 8ª Marcha.