APÓS DENÚNCIAS, BENTECH MUDA DE BAIRRO SEM REGISTRAR GRÁFICOS E CONTINUA COM MESMA PRÁTICA NO NOVO LOCAL

Após denúncia ao Ministério do Trabalho, novas diligências do Sindicato da classe (Sindigráficos) na gráfica Bentech (Cajamar) descobriu que ela fechou os dois barracões onde funcionava, meses depois de ser flagrada explorando o trabalho de imigrantes haitianos e de brasileiros sem registro na Carteira de Trabalho, e descumprido todos os direitos coletivos da classe. Na investida mais recente, o sindicato acaba de descobrir a Bentech em outro bairro da mesma cidade, na Avenida José Marques Ribeiro, 1020, em Guaturinho, mas sem registrar seus gráficos, mostrando que a mudança foi para continuar desafiando a lei trabalhista.

Nos próximos dias, o Sindigráficos acionará o Ministério do Trabalho outra vez. Na denúncia repassará o nome que a gráfica está usando e o novo endereço para que haja fiscalização no local. “Por duas vezes, eu flagrei mulheres sem a carteira de trabalho atuando no galpão da antiga Cajagraf, então alugado pela Bentech”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato. E no outro prédio, homens e mulheres haitianos também foram flagrados na mesma irregularidade. À época, o caso foi denunciado para que o Ministério tomasse providências.

Agora uma nova fiscalização será solicitada para ocorrer no Gatorinho. Já há testemunhamos e denúncias que ainda existem empregadas sem o registro, atuando como diaristas sem nenhum direito trabalhista. A fiscalização será indispensável para autuar a Bentech diante das atuais pendências trabalhistas, inclusive em relação à saúde e segurança dos empregados, seja com qual nome a empresa utiliza no mercado atual.

O Sindigráficos aproveita ainda para orientar todos os trabalhadores que estão atuando ou atuaram na Bentech sem a Carteira de Trabalho. “Para que o sindicato possa garantir o devido registro e cobrar todos os direitos da CLT e da Convenção Coletiva de Trabalho dos gráficos nos últimos cinco anos, é necessário que nos procurem”, diz Rodrigues. A entidade disponibilizará o setor jurídico para analisar cada caso e acionar a Justiça.

Se for provado, o vínculo empregatício poderá ser definido judicialmente.  Com isso, a diferença salarial do tempo de trabalho sem registro terá que ser paga. O piso salarial dos gráficos é superior a R$ 1,5 mil. Portanto, a Bentech terá de pagar todas diferenças mensais dos últimos cinco anos se pagou abaixo disso. Ademais, terá de pagar o FGTS e INSS negados. Sem falar no conjunto de direitos superiores à CLT postos pela convenção coletiva dos gráficos, como cesta básica mensal, PLR anual e muito mais.