BOLSONARO DEFENDE GOVERNO TEMER, NOMEIA MINISTRO ‘CORRUPTO’ E ACABARÁ MINISTÉRIO QUE DEFENDE O TRABALHADOR

Após a reunião que formalizou o governo de transição, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse nesta quarta-feira, 7, que “muita coisa” da gestão Michel Temer vai ser mantida. Bolsonaro agradeceu o encontro e disse que conta com a experiência de Temer para ajudá-lo. Dentre a ajuda, deve está o fim do Ministério do Trabalho, responsável pelo emprego e fiscalização dos direitos dos trabalhadores. “O Ministério do Trabalho (com mais de 80 anos de existência, mantido inclusive nos 21 anos da Ditadura Militar) vai ser incorporado a algum ministério”, disse Bolsonaro, sem detalhar qual pasta absorverá as atribuições atuais do Trabalho. Bolsonaro fez a afirmação em rápida entrevista a jornalistas após almoçar com o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro João Otávio de Noronha, na sede do tribunal.

O presidente eleito também está montando a sua nova equipe ministerial. Um dos principais é o deputado Onix Lorenzoni (DEM-RS). Ele é réu confesso de caixa dois da JBS, descoberto na Operação Lava Jato, liderada pelo juiz Sérgio Moro, o qual também será ministro do governo Bolsonaro. Em 2017, antes de ser ministro, Mouro classificava caixa 2 como “um crime contra a democracia. Corrupção em financiamento de campanha é pior que desvio de recursos para o enriquecimento ilícito”. Agora, parece que Mouro mudou de ideia. Ele disse a jornalista que o deputado Onix “ja admitiu (o caixa 2) e pediu desculpas”. Mas não respondeu se é correto um “corrupto confesso” que “pediu desculpas” ser nomeado ministro por um presidente (Bolsonaro) que dizia combater a corrupção.

FONTE: Com informações do Uol, Exame, Sul21