GRÁFICOS CORREM RISCO DE DEMISSÕES MESMO DOENTES SE ASSINAREM RESCISÃO SEM ANTES CONFERIREM NO SINDICATO

Com ou sem a nova lei do Trabalho, o gráfico com doença ocupacional, sequelado por acidente laboral ou até por doença comum que tenha se agravado devido uma ligação direta com o trabalho ou mesmo a pressão psicológica na empresa, desde que comprovada, não pode ser demitido. O Sindicato da classe (Sindigráficos) já inverteu vários desligamentos de profissionais enfermos, descobertos pela entidade durante os processos de homologação da rescisão contratual do trabalhador. Muitos sequer sabiam do problema, sendo encaminhados para a médica do Trabalho, evitando que só descobrissem tal doença após a referida demissão, o que dificultaria seu ingresso em um novo emprego diante das limitações.

Porém, após a nova lei, já têm patrões apostando na falta de informação do gráfico sobre seu direito. Isso ocorre se tentarem afastar o sindicato do processo da sua rescisão. O Sindigráficos é o maior conhecedor dos direitos coletivo da classe. Foi a entidade quem negociou tais direitos na última campanha salarial, junto com o segmento do sindicato patronal. Além disso, acumula experiência e conhecimento durante anos sobre uma série de várias direitos, até mesmo sobre questão de adoecimento.

“Portanto, desconfie da sua empresa se ela optar por demiti-lo sem que o Sindicato acompanhe o processo de quitação dos seus direitos. Faça isso para não perdê-los e para evitar ser demitido doente, sabendo ou não, complicando depois sua vida. Não assine nada antes de trazer para o nosso conhecimento no sindicato”, diz Jurandir Franco, diretor sindical.

Assim como o patrão zela pelo seu negócio, por sua máquinas dentro da empresa, zela pelo seu patrimônio, o advogado do Sindigráficos alerta os trabalhadores para que cuidem do seu maior bem, que é seu corpo e mente saudáveis. “Vá inclusive regularmente ao médico do Trabalho de modo a ir acompanhando como está a saúde, mas também para que os respectivos laudos apresentados sirvam de provas, caso necessário, para demonstrar o surgimento ou agravamento de doenças relacionadas à atividade laboral. Logo, vá ao médico independente de estar sentido algum sintoma”, orienta o experiente jurista da entidade dos gráficos.

Existem várias doenças na lista de enfermidades ocupacionais, as quais acometem sobretudo quem atua em atividades insalubres ou especiais, como é o caso do setor gráfico. Há muitos problemas ósseo musculares relacionados por esforço repetitivos (LER/Dort) e até surdez por conta do elevado ruído na produção, entre outras doenças, além das questões psicológicas, desde que com provadas o seu nexo causal com o serviço.

Como se vê, há um risco alto de se estar doente mesmo sem saber  e só descobrir após a demissão, o que vai lhe atrapalhar ou até impedi-lo de conseguir um novo emprego. “Assim, antes de assinar a rescisão do seu atual emprego,  consulte primeiro o Sindigráficos antes de oficializar o desligamento. Do contrário, correrá o risco de está sendo demitido, sem proteção legal, mesmo com lesão física ou psicológica ou algo mais grave desenvolvido no tempo que laborou, sem que depois o sindicato poder fazer algo” realça Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.