GRÁFICOS DA H ROSA JÁ COMEÇAM A SENTIR OS PREJUÍZOS APÓS TRÊS ANOS DE ATIVIDADE E AINDA NENHUMA SINDICALIZAÇÃO

Três anos após a gráfica HRosa se instalar na cidade de Cajamar, vinda da capital paulista, os 80 profissionais da empresa ainda não se filiaram à entidade da categoria (Sindigráficos) e começam a sentir os prejuízos. A empresa percebeu o afastamento dos trabalhadores ao sindicato e já iniciou a aplicação de intransigências, conforme apontam as primeiras denúncias da classe. Para evitar o mal, o Sindigráficos promoverá uma campanha de sindicalização dentro da empresa, baseada na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), para fortalecer a luta no combate às falhas  contra os funcionários do local. Pelas queixas, a H Rosa aplica diferença salarial entre gráficos com mesmo função e condições. Decidiu retirar os bancos de suporte aos trabalhadores do setor de Acabamento e ela tem dificultado até o recebimento de atestado médico dos seus empregados.

“Já notificamos a H Rosa para tratar dessas questões e da campanha de sindicalização dentro da gráfica”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Em relação às reclamações sobre limitações impostas ao recebimento de atestado médico, a entidade já adianta que restringir os atestados é ilegal. Ninguém que seja médico pode avaliar a situação. E, se há atestado afastando a pessoa do trabalho, ocorre por questões médicas, não tendo assim a empresa a autonomia para a contestação. Só médicos podem avaliar médicos, caso a ética profissional permita. O sindicato solicitará da empresa qual a respectiva política para a questão.

O Sindigráficos também exigirá explicações quanto à política de saúde e segurança da gráfica, em especial sobre um problema denunciado que podem vir a levar ao adoecimento dos trabalhadores do Acabamento.

As denúncias revelaram que os bancos de suporte nas bancada de trabalho destes profissionais foram retirados, obrigando-os as laborar em pé todo o expediente. Os bancos, porém, é um equipamento de apoio tradicional neste ambiente na maioria esmagadora das industrias gráficas do Brasil. “Vamos cobrar explicações. Não pode simplesmente retirar os bancos em prejuízo da saúde e melhor ergonomia dos gráficos”, diz Rodrigues.

A mesma função desenvolvida por profissionais da H Rosa com várias faixas salariais distintas também são objeto da notificação do Sindicato à empresa. O órgão buscará explicações sobre a política de estruturação salarial. E, a partir dela, corrigir essas injustiças neste quesito, caso seja confirmada a denúncia. “A manutenção de diferença salarial é passível de ajuizamentos em defesa dos trabalhadores”, alerta Jurandir Franco, diretor sindical. Ele aproveita e convoco os próprios trabalhadores desta empresa para juntos coibirem todas as falhas a partir da sindicalização.