INDEX LABEL RECONHECE FALHAS NO FGTS DOS GRÁFICOS E ANUNCIARÁ CORREÇÃO. SINDICATO TAMBÉM LEVA JJ À JUSTIÇA

Nos próximos 50 dias, a gráfica Index Label em Cajamar terá de mostrar ao Sindicato da classe (Sindigráficos) como fará o pagamento do FGTS dos trabalhadores. Ela deixou de recolher há dois anos. E, agora, após denúncias dos trabalhadores ao sindicato, a irregularidade está com os dias contados. O caso chegou na Justiça do Trabalho. Em função disso, a empresa precisou reconhecer a falha e teve que se comprometer em mostrar uma solução definitiva no período. O anúncio foi feito na última semana pelo advogado da gráfica ao jurista André Marques Laurindo, representante do Sindicato, na Vara do Trabalho de Cajamar. E daqui a 13 dias, será a vez do Jornal de Jundiaí enfrentar a Justiça por também ter sonegado o FGTS da classe faz tempo. Haverá uma audiência para julgar a ação coletiva do sindicato em prol de todos os gráficos do local.

A audiência no caso do Jornal de Jundiaí deveria ter ocorrido inclusive na última segunda-feira (28). Porém, em função do movimento grevista dos caminhoneiros, o 15º Tribunal Regional do Trabalho suspendeu os atendimentos de todas as varas do trabalho de sua jurisdição, incluindo Jundiaí e região. Desse modo, foi adiada para o dia 13. Tudo está sendo acompanhado pelo advogado do Sindigráficos, Luis Carlos Laurindo. A causa tem um valor inicial de R$ 300 mil. Mas o passivo com o FGTS dos gráficos pode ser maior. O processo cobra todos os anos negados. Apesar da sonegação, que não para por ai, a Câmara dos Vereadores de Jundiaí ainda fez questão de homenagear este ano o referido jornal.

No caso da Index Label, o passivo com o FGTS dos gráficos é menor. O problema é que não deveria nem existir, uma vez que deveria ter sido recolhido mensalmente, como trata a lei fundiária, no valor de 8% sobre a remuneração de cada trabalhador. Estima-se pendências nos últimos dois anos. Mas, pelo acordado no último dia 24/05, na Vara do Trabalho de Cajamar, tal pendência deve chegar ao fim brevemente. Pelo acordo, o processo foi suspenso temporariamente por dois meses – período em que a empresa ficou de apresentar a sua forma de quitação do passivo.

“Em caso de apresentar a solução ao Sindigráficos como proposto, essa resolução será formalizada dentro do processo judicial, em forma de um acordo. Porém, se não honrar com a sua palavra, postergando a falha, o processo continuará, inclusive com o acréscimo de maiores sanções”, explica Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato, que acompanhou as tratativas desta negociação. O sindicalista aproveita e alerta todos os demais gráficos da região para denunciarem à entidade caso haja falha no FGTS, como foi feito pelos gráficos da Index Label. Ele realça ainda para a necessidade dos trabalhadores da Label e de demais empresas se sindicalizarem para fortalecerem o Sindicato a continuar nesta luta.