LOG&PRINT PROMETE UM SUPOSTO BENEFÍCIO AOS GRÁFICOS PARA RETIRAR OUTROS E AINDA ELEVAR DESCONTO SALARIAL

Ao invés de valorizar os profissionais, a gigante do ramo gráfico do país, Log&Print, localizada em Vinhedo, que hoje é gerida pela Print Laser, optou em seguir um caminho bastante diferente do que se comprometeu na primeira reunião com o Sindigráficos. Ao invés de gerar emprego de qualidade, optaram em atacar as várias conquistas dos trabalhadores, que em nada têm a ver com os erros antigos da gestão da empresa. Querem ampliar os descontos do transporte, a jornada de trabalho sem pagar pelas horas-extras e retirar até as folgas conquistas pela classe. Contudo, diante da primeira reação do sindicato e dos trabalhadores em assembleias na frente da empresa no último mês, a nova direção mudou de estratégia, ao menos no discurso utilizado durante uma nova reunião com os sindicalistas no último dia 20, pois, na prática, o ataque continua.

“Eles continuam querendo associar a crise com os direitos conquistados pelos empregados, já que defendem o fim destes direitos para retomada do crescimento. Mas, na história da gráfica, os direitos nunca a levaram às dificuldades”, disse aos trabalhadores o presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues durante a assembleia.

A empresa, por sua vez, inseriu em sua promessa a proposta de um Programa de Participação nos Resultados (PPR), que pode ser até maior que o valor já pago pela Convenção Coletiva através da PLR, que hoje não chega a R$ 1 mil.

No entanto, em troca da oferta, querem, na verdade, retirar o pagamento da hora-extra dos trabalhadores, substituindo-o por banco de horas. A empresa ainda quer elevar a jornada laboral, retirar folgas conquistadas e ampliar o desconto salarial sobre vale-transporte.

“Assim, o prometido PPR maior que a PLR será pago com o próprio dinheiro dos gráficos retirado ao longo do ano com o não pagamento da hora-extra e os dias a mais de jornada com o fim das folgas, além dos descontos salariais maiores”, alerta a todos o advogado do sindicado, Luis Carlos Laurindo.

Desse modo, se a nova gestão da empresa quiser mesmo beneficiar os gráficos com o benefício do PPR, deve primeiro negociar a renovação do acordo de jornada de trabalho separado, garantindo as conquistas. Após fechado, negocia o PPR sem que os gráficos paguem do próprio bolso por ele através do trabalho a mais e sem remuneração, já que a gráfica só quer tratar do PPR atrelado ao banco de hora”, diz Rodrigues.