PAUSA DIÁRIA NO SERVIÇO COM LANCHE PAGO E TRABALHO MENOR NO SÁBADO GARANTIDOS AOS GRÁFICOS DA RAMI

O segundo semestre chegou. E com ele costuma-se aquecer o ritmo da produção industrial e do consumo. A área gráfica é um desses setores que amplia a produção no período, como a Rami, em Jundiaí, empresa de rótulos impressos, que, apesar da crise econômica dos últimos anos, ampliou os postos de trabalho e manteve os atuais 120 trabalhadores. Apesar da positiva perspectiva, a fim de evitar a sobrecarga de serviço sobre os empregados, a empresa e o sindicato da categoria negociaram a renovação de um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) sobre a jornada. Nele, foi mantido o intercâmbio permanente entre os três turnos e com horário reduzido todo sábado para o turno da tarde. E uma novidade vai garantir uma pausa diária no serviço com lanche pago pela empresa para todos os turnos, além da manutenção da parada para refeição com duração de uma hora. E a folga remunerada no Dia do Gráfico também continuará.

O ACT, que não inviabilizou a possibilidade dos gráficos ganharem um pouco mais de dinheiro com a realização de horas extras, foi aprovado pelos funcionários no último dia 4. A hora-extra continua sendo permitida porque o intervalo intrajornada (parada para refeição) será de uma hora. Se fosse de 30 minutos, como em outrora, uma portaria do Ministério do Trabalho (1.095/2010) proibiria o trabalho adicional dos empregados. O tempo da intrajornada, porém, pode ser revisto após 13 de novembro – data que entra em vigor a reforma trabalhista e que deve mudar a lei. O Sindicato adiantou que não aceitará prejuízo aos gráficos, mas é preciso que todos se sindicalizem para garantirem o poder de pressão do órgão.

Além desta condição que manterá a possibilidade da realização de hora-extra, o Sindicato se preocupou em evitar a sobrecarga de trabalho. Embora a lei só garante a folga semanal remunerada no domingo, sendo normal o trabalho no sábado, o ACT garantiu um tempo menor de serviço no sábado para os gráficos do turno da tarde – horário este que todos os 120 funcionários da Rami são contemplados diante do revezamento permanente entre os turnos. “Ao invés de pegarem às 11h15 e largarem às 20h04, continuam a sair às 17h10 – três horas antes”, diz Jurandir Franco, diretor sindical.

A novidade é que os trabalhadores da tarde também terão uma pausa de 10 minutos diária no serviço e com lanche pago pela empresa. Tal benefício já era concedido aos gráficos dos outros turnos. “Esta pausa era mesmo muito necessária porque todos os gráficos do turno da tarde passavam bastante tempo sem se alimentar. Almoçavam as 12h30 e só podiam comer depois de largar às 20h04”, explica Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato. E a inovação entra em vigor como experiência. Ela pode ser oficialidade depois no ACT se funcionar sem problemas.