SINDIGRÁFICOS APOIA GREVE DE GRÁFICOS NA CAPITAL E VEM DEFENDENDO A UNIDADE DA CLASSE PARA EVITAR PREJUÍZOS

De braços cruzados desde a semana passada por falta de pagamento salarial há três meses, gráficos da Santa Rosa Embalagem, na capital paulista, tiveram apoio do Sindicato da classe de Jundiaí (Sindigráficos), mesmo a quilômetros de distância e não representando a classe local.  Leandro Rodrigues, presidente do órgão, foi até lá onde se reuniu com os trabalhadores e com representantes do STIG São Paulo, órgão que atua na área. Na ocasião, auxiliou na mobilização da classe para exigir do patrão uma saída frente a falta de pagamento salarial e uma solução sobre as dívidas com cestas básicas mensais e mais direitos negadas.

Apesar da indefinição por conta da intransigência do dono da empresa, o Sindigráficos garante que manterá  o apoio aos gráficos, independente da região do Estado ou do país. “Embora o STIG-SP seja filiado à Força e nos somos da CUT, nosso foco único objetivo são os interesses dos trabalhadores. Para que isso ocorra, mesmo diante do maior retrocesso político e sobre os direitos após o golpe de Temer e seus aliados, que aprovaram a nova lei do trabalho para destruir a classe e os sindicatos, será preciso uma  ampla unidade dos trabalhadores”, frisou Rodrigues.

Nos últimos quinze anos, o sindicalista participou de greves em gráficas de diversas outras bases, prestando solidariedade e participando direto até das negociações. Dentre elas, o Sindigráficos já atuou em greves de gráficos na região de Taubaté, Sorocaba, Santos, Guarulhos, Campinas, ABC e muitas outras, mesmo em cada um delas tendo seus Sindicatos. Rodrigues ratifica que é preciso fortalecer a unidade dos trabalhadores através da participação solidária dos STIGs nas várias bases do estado, sobretudo diante de greve, quando se precisa de maior aporte na ação.

Contudo, essa unidade entre os Sindicatos e toda a classe trabalhadora, precisa se transformar em algo mais comum não só durante as greves,  mas sobretudo para a preservação dos direitos depois da aprovação da nova lei trabalhista. “Está chegando a 1ª campanha salarial dos gráficos de quase todo o estado, tendo esta legislação pela 1ª vez em vigor. “No último ano, ela só passou a valer após a nossa data-base, que é 1º de novembro, e trouxe prejuízos, imagina neste ano se não formos capazes de mostrarmos a nossa unidade de classe trabalhadora”, fala Rodrigues.

Portanto, a solidariedade aos gráficos da Santa Rosa deve ser tratada como a luta de toda a classe. Hoje são eles, amanhã pode ser quaisquer outros de outra região do estado e que também precisarão de unidade e maior participação de todos os sindicatos e trabalhadores da categoria.

“É o momento de juntarmos forças para combatermos a nova legislação do trabalho e todo oportunismo patronal que cresceu ainda mais a partir desse retrocesso chamado de lei”, diz Rodrigues. Ele exige do dono da Santa Rosa que apresente uma solução para os seus trabalhadores. O dirigente também parabeniza o STIG-SP pelo suporte dado aos gráficos do local e toda a consciência da classe. A greve têm 100% de adesão.