SINDIGRÁFICOS ATUA E EVITA DESCONTINUIDADE DE JORNADA DE TRABALHO MENOR E DIREITOS EXTRAS NA GRÁFICA EMEPÊ

Há 15 anos, desde que os gráficos Leandro Rodrigues e Jurandir Franco assumiriam o Sindicato da classe na região (Sindigráficos), a redução da jornada semanal de trabalho e mais direitos têm sido incluídos em várias empresas. Uma das conquistas mais avançadas acontecem para os 260 trabalhadores da Emepê, em Vinhedo. Eles têm a jornada média menor que na grande maioria das gráficas, e direitos extras. Essas vantagens, porém, corriam riscos de serem extintas. Desde novembro, diante dos malefícios em vigor da atrasada lei da reforma trabalhista do Temer, que ameaçou tal negociação, o Sindicato insistia para a empresa renovar o antigo acordo com certas melhorias. Apesar da resistência, a aceitação da renovação ocorreu semana passada, em reunião no Sindigráficos.

“Os termos do novo Acordo Coletivo de Trabalho, que mantêm todas as vantagens e ainda poderá incluir mais benefícios exclusivos aos gráficos da Emepê, será submetido à análise e votação de todos profissionais do local”, informa Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Haverá um processo de votação individual e secreta dos 260 trabalhadores para a aprovação do então acordo com validade por mais dois anos. Esta foi  a primeira vez que a renovação correu risco. O dirigente fala que nunca antes a renovação do acordo demorou tanto tempo para ser concluído após sua validade. Ele creditou tal dificuldade aos já efeitos da nova lei trabalhista, que vai exigir maior unidade do gráfico em torno do sindicato se quiserem ter seus direitos garantidos, sendo urgente a sindicalização.

Portanto, a fim da agir na aplicação efetiva dessas conquistas, é justo e necessário que, até no próximos mês, o número de gráficos da Emepê associados ao Sindicato cresça dos atuais 70 filiados para 150 sócios. Afinal, diferente da maioria das outras gráficas, a sua jornada laboral é de 41 hs semanal na média, com o trabalho aos sábados (1º e 2º turnos) e  domingos (3º turno) alternados, hora-extra de 80% se laborar nestes dias de folga remunerada, além da garantia do feriado no dia da classe. “Não será enfraquecendo a sua entidade de classe, fazendo oposição à contribuição sindical anual, ou deixando de se filiarem que manterão tais direitos, ou conquistarão novos”, alertou Jurandir Franco, diretor sindical.

O Sindigráficos inclusive pode avançar em mais garantias neste acordo. A entidade reivindicou uma regra onde permitirá que o trabalhador opte pela homologação da rescisão contratual no sindicato, a fim de conferir se tudo foi pago adequadamente, situação que de forma imoral a nova lei de Temer busca flexibilizar. O Sindicato também tem reafirmado que continua sem aceitar a prática de banco de horas. A convenção coletiva de trabalho da categoria mantêm o pagamento da hora-extra de 65% em dias de semana e de 100% em feriados e em outras condições. “Não sei o porque a Emepê não aceitou incluir tal obrigação no novo acordo, visto que garantiu que não fará banco de hora individual ou coletivo. Contudo, continuaremos defendendo todos os direitos da classe”, diz Rodrigues.

A entidade inclusive continua em negociação para firmar outro acordo positivo para os gráficos do local. Busca um Programa de Participação nos Resultados, não abrindo mão que o rendimento mínimo seja o maior valor da PLR ora definida pela convenção da classe. Sindicalize-se aqui!