Tag Archives: Campanha Salarial

Diretoria do Sindicato se reúne com gráficos de Sorocaba e Taubaté

Stig Taubaté

Em Taubaté haverá quatro assembleias de mobilização da Campanha Unificada

Stig Sorocaba

Na segunda Leandro e Jura estiveram com os companheiros do STIG Sorocaba

Nesta semana, Leandro Rodrigues, presidente do STIG Jundiaí e Jura, diretor Financeiro, deram sequência ao fortalecimento com os gráficos do estado de São Paulo para a Campanha Salarial 2014. Nesta segunda-feira, dia 15, ele esteve com os companheiros do STIG Sorocaba, que se comprometeram a apoiar a campanha com toda a força. Na terça-feira, dia 16, foi a vez de se reunir com os companheiros de Taubaté, que também se comprometeram a vir com força máxima. “Só em Taubaté serão quatro assembleias de mobilização da Campanha Unificada”, informa Leandro.

Leandro se reúne com gráficos de Ribeirão Preto e Jaú para expandir a Campanha Salarial

O presidente do Sindicato, Leandro Rodrigues da Silva, está trabalhando para expandir a Campanha Salarial para Ribeirão Preto e Jaú, onde conta com o apoio dos sindicatos de ambas as cidades.

Na segunda-feira, dia 8, Leandro se reuniu com o companheiro Aristeu, presidente do STIG Ribeirão Preto e seu vice Márcio funcionário da gráfica São Francisco e da companheira Lucia, onde foi fechado o compromisso de levar as mobilizações da Campanha Salarial para Ribeirão Preto.

Na terça-feira, dia 9, Leandro foi recebido pelos companheiros Ademir e Zé Pelo, ambos do STIG de Jaú. Neste município há um grande número de empresas e os trabalhadores estão ao lado do Sindicato.

“O mais importante é que levaremos a campanha salarial para estas cidades nas próximas semanas. Obrigado companheiros pela recepção e pela confiança”, afirmou Leandro.Jaú Ribeirão Preto

Campanha Salarial entra em momento decisivo

camp_salarial

O Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e região irá participar do Encontro Estadual da FTIGESP (Federação dos Trabalhadores da Indústria Gráfica, da Comunicação Gráfica e dos Serviços Gráficos do Estado de São Paulo) que será realizado entre os dias 09, 10 e 11 de junho. Na ocasião será apresentado a pré-pauta de negociação da Campanha Salarial 2014/2015.

Este encontro estadual reúne os 18 sindicatos filiados e Federação e é um momento decisivo para a Campanha Salarial no sentido de definir se as negociações deste ano serão unificadas com a Federação ou diretamente com o Sindicato Patronal, como ocorrido no ano passado, quando o Sindicato rompeu com a Federação por não concordar em alguns pontos da pauta trabalhista e de forma inédita negociou individualmente.

A pré-pauta dos Gráficos de Jundiaí e região foi elaborada no último dia 3 de junho pelos diretores do Sindicato. A Campanha Salarial deste ano está programada para ser iniciada oficialmente no dia 10 de agosto, porém antes deste encontro que irá reunir a categoria para aprovação da pauta trabalhista, haverá três plenárias regionais para ampliar o debate com os trabalhadores, programadas para serem realizadas em Indaiatuba, Bragança Paulista e Pedreira. Os locais das plenárias ainda será definidos e divulgados em breve.

Sindicato define programação para a Campanha Salarial 2014

Gráficos

A diretoria do Sindicato se reuniu no último dia 2 de maio na sede do Sindicato em Jundiaí pare definir a programação para a Campanha Salarial 2014. No próximo dia 3 de junho, os diretores voltarão a se reunir para elaborar a pré-pauta de negociação 2014/2015. As propostas serão apresentadas no encontro estadual da FTIGESP (Federação dos Trabalhadores da Indústria Gráfica, da Comunicação Gráfica e dos Serviços Gráficos do Estado de São Paulo).

De acordo com o presidente Leandro Rodrigues, haverá uma discussão junto com a categoria em um segundo momento para definir se as negociações deste ano serão unificadas com os demais sindicatos da Federação ou diretamente com o Sindicato Patronal, como ocorrido no ano passado, quando o Sindicato rompeu com a Federação por não concordar em alguns pontos da pauta trabalhista e de forma inédita negociou individualmente.

A Assembleia que marca o início oficial da Campanha Salarial deste ano está agendada para o dia 10 de agosto, porém antes deste encontro que irá reunir a categoria para aprovação da pauta trabalhista, haverá três plenárias regionais para ampliar o debate com os trabalhadores, programadas para serem realizadas em Indaiatuba, Bragança Paulista e Pedreira. Os locais das plenárias ainda será definidos e divulgados em breve.

Sindicato fecha pacote com reajuste em todos os índices

DSC_0023

Depois de quatro horas e meia de negociação, conseguimos fechar acordo com o Sindicato Patronal na tarde de ontem, não só para Jundiaí e região, como também para todo o Estado de São Paulo, graças às mobilizações e apoio dos trabalhadores. Após muita choradeira do setor patronal conseguimos 7% sobre todas as cláusulas econômicas e 1,34% de aumento real, ganho superior ao do ano passado. Além disso foram mantidas todas as cláusulas sociais e rejeitado as cláusulas patronais.

O presidente do STIG Jundiaí, Leandro Rodrigues, entende que o resultado final não foi o ideal, mas foi o número razoável que batalharam para conseguir. Na opinião de Leandro as mobilizações nas portas de fábrica e o apoio dos trabalhadores foi o principal fator para que os patrões cedessem em algumas cláusulas da negociação, além disso, a direção sindical de Jundiaí mostrou sua força política tendo um papel fundamental nas negociações coletivas.

“Em 50 dias de campanha percorremos 27 cidades de nossa base territorial e realizamos 58 assembleias. Foi a maior mobilização de todos os tempos do nosso Sindicato e todos que estiveram envolvidos nesse trabalho estão de parabéns, realmente foi histórico”, declarou Leandro.

Para o advogado do Sindicato, o companheiro Luis Carlos Laurindo, a Campanha Salarial deste ano reverteu uma tendência do Sindicato Patronal que tinha por objetivo a redução sistemática do aumento real de salário. “Para se ter uma ideia desse fator, no ano passado o aumento real foi de 1,14% para uma inflação de 6%, e neste ano o aumento real foi de 1,34% para uma inflação de 5,58%”, explica.

O companheiro Jurandir Franco, tesoureiro do Sindicato, destaca o fechamento de um pacote econômico que envolveu reajuste no piso, teto e PLR. “Além de termos conseguido igualar o aumento real com as principais categorias também conseguimos um reajuste no teto salarial da categoria que passou de R$ 9.068,48 com fixo de R$ 652,93 para R$ 9.703,27 com um fixo de R$ 679,23″, informa.

Confira como ficou a PLR

1ª faixa: R$ 570,38 para empresas com até 19 trabalhadores
2ª faixa: R$ 621,07 para empresas com de 29 até 49 trabalhadores
3ª faixa: R$ 721,74 para empresas com 50 até 99 trabalhadores
4ª faixa: R$ 839,26 para empresas com mais de 100 trabalhadores

Sindicato busca 9% de aumento real

DSC_0004

Terminou ontem sem nenhum acordo a 3ª rodada de negociações entre o Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e região, que representa a bancada dos trabalhadores, e o Sindicato Patronal, que representa os empresários das indústrias gráficas do Estado de São Paulo. O resultado aumenta a possibilidade da greve ser deflagrada nos próximos dias, caso o setor patronal não apresente uma nova proposta nos próximos dias. O Sindicato aguarda uma posição do setor patronal para uma nova rodada de negociação.

Nas três rodadas de negociações o setor patronal não concedeu nenhum benefício que melhore a situação do trabalhador na CCT (Convenção Coletiva do Trabalho), ao contrário, a bancada que representa o setor patronal tentou convencer a bancada dos trabalhadores a regredir a pauta trabalhista, como estabelecer o corte do piso salarial do trabalhador gráfico de R$ 9.068,48 para R$ 6 mil. O Sindicato dos Gráficos descartou qualquer possibilidade de acordo com os números apresentados.

Graças à atuação da direção sindical na mesa de negociação, o setor patronal retirou as cláusulas prejudiciais à categoria, como implantação do banco de horas, congelamento da PLR, entre outras. O presidente do Sindicato, Leandro Rodrigues, deixou claro em mesa de que irá intensificar as mobilizações em portas de fábricas para apresentar aos trabalhadores o resultado da negociação e lutar por um aumento real significativo e não aceitará os 6% de aumento real apresentado. “Estamos com disposição para buscar 9% de aumento real”, declarou.

O vice-presidente do Sindicato, Marcelo Marques, seguiu a mesma linha do presidente e declarou que a direção sindical irá gastar todas as energias na base e não na mesa de negociação. “A realidade é que essa proposta não será aceita, pois não dá para aceitar essa choradeira do patrão de que a produção está em queda, quando vemos ao contrário, com os companheiros trabalhando e produzindo muito”, afirma.

Para o advogado do Sindicato, Dr. Luis Carlos Laurindo, a greve causa transtornos, porém “é o melhor remédio para ser usado quando o paciente está morrendo” e criticou a frieza da bancada patronal. “Enquanto os patrões estão preocupados com os números econômicos da indústria gráfica, nós estamos preocupados com as vidas dos trabalhadores e com a possibilidade de eles serem ainda mais prejudicados”, disse.