SOLUÇÃO A CAMINHO DO FGTS DE TODOS OS GRÁFICOS DA ROTAPLAN APÓS QUASE 100% DELES SE SINDICALIZAREM

Após ficarem 10 anos sem depósitos do FGTS, a maioria dos gráficos da Rotaplan, em Valinhos, temendo prejuízos, decidiram se juntar agora  aos poucos já sindicalizados na empresa. Eles se filiaram à entidade da categoria (Sindigráficos), que vinha disposta a resolver o problema, mas ainda tinha pouca força política no local. Porém, o cenário mudou muito nos últimos dias. Mais que dobrou a quantidade de filiados. E já resultou numa maior pressão em busca da solução efetiva. Apenas três dos 22 trabalhadores ainda não se associaram. Com essa força, o pagamento da dívida fundiária deixou de ser uma promessa e já se tornou realidade. Ao invés da garantia informal, a gráfica aceitou fazer o levantamento na Caixa Econômica da dívida de cada gráfico e realizar um acordo judicial.

A Rotaplan deve apresentar os valores exatos do débito no próximo dia 2. Nesta data, às 10h, haverá uma nova reunião entre os sindicalistas e os donos e gestores da empresa.   Ficou acordado que será confirmado o termo do acordo para o pagamento que ocorrerá na Justiça do Trabalho.

“A gráfica também apresentou outra forma de pagamento através de um crédito judicial que possa vir a ter com a conclusão de uma ação privada sobre um terreno. Mas, a fim de garantir solução segura, sem esperar tal resultado e imprevisibilidade, será feito um acordo judicial com o dono Orlando Marques”, fala Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Para Luis Carlos Laurindo, advogado do Sindicato, um acordo judicial é uma boa solução para a questão. Nele, o órgão de classe entrará com uma ação coletiva na Justiça do Trabalho, representando todos gráficos do local, diante da ampla quantia de sindicalizados, requerendo o FGTS.

E, ao invés do processo tramitar convencionalmente, já logo na primeira audiência, o dono da Rotaplan aceitará pagar a dívida através do acordo em respeito a todas as leis pertinentes para este tipo de procedimento, podendo inclusive parcelar o pagamento, mas com todas as garantias.

“Tal cenário de solução da questão, que durava há anos, só está sendo possível devido a conscientização dos trabalhadores através da unidade em torno do fortalecimento do Sindicato para atuar em defesa de todos. A grande maioria decidiu se sindicalizar”, ressalta Valdir Ramos, diretor sindical, parabenizando-os pela iniciativa.

Os três gráficos que ainda não se associaram, estão sendo convidados para seguir o mesmo exemplo. Os demais trabalhadores da classe também devem se associar e assim protegerem seus direitos e salário ou avançarem mais. Sindicalizem-se!