Suplicy apoia PL do Livro

SuplicyRepresentando os trabalhadores das indústrias gráficas de Jundiaí e Guarulhos, Leandro Rodrigues da Silva e Francisco Batista Viana, respectivamente, acompanharam o deputado Zico Prado a uma vista ao senador Eduardo Suplicy para sugerir a realização de audiência pública no Senado para debater o fato que grande quantidade dos livros didáticos brasileiros passaram a ser impressos na China e não mais no Brasil.

A proposta faz parte do projeto de Lei 7299/2014, do deputado federal Vicentinho, que visa garantir a confecção de todos os livros do governo brasileiro em território nacional. A elaboração deste projeto contou com a colaboração ativa do Sindicato dos Gráficos de Jundiaí. Atualmente ele se encontra em fase de avaliação pela presidência da Câmara dos Deputados.

De acordo com o presidente do STIG Jundiaí, Leandro Rodrigues, a medida visa assegurar o emprego dos trabalhadores gráficos e garantir o desenvolvimento da indústria gráfica nacional.

“Precisamos reverter essa lógica para garantir o emprego dos trabalhadores gráficos. Não podemos permitir que o governo brasileiro imprima livros didáticos fora do país, principalmente na China onde sabemos que o preço é muito baixo”, afirma Leandro.

A elaboração do projeto também contou com o apoio da ABIGRAF (Associação Brasileira da Indústria Gráfica). Segundo o Sindicato Patronal, de janeiro a outubro de 2013 o país importou 18,7 mil toneladas de livros, um crescimento de 9,3% ao mesmo período do ano anterior. A China e Hong Kong foram responsáveis por 13,5% do número total das importações desse ano, o que corresponde a 61% do total.

Para o deputado Vicentinho, o país necessita de adoção de restrições à importação de livros e demais publicações gráficas. Vicentinho afirma que órgãos públicos brasileiros não deve favorecer o mercado externo em detrimento das produções nacionais.

“Este projeto vem contribuir para que haja o compromisso do poder público para com a economia nacional”, diz o deputado líder do PT na Câmara.