Tag Archives: Pedro Bigardi

Jura do Sindicato dos Gráficos é o mais novo filiado do PCdoB

Jura-pcdob

Durante a Conferência realizada no último sábado (05/10), o PCdoB recebeu com grande alegria e entusiasmo Jurandir Aparecido Franco, o Jura do Sindicato dos Gráficos que se filiou ao PCdoB e integrara a direção municipal do partido.

“Para nós do PCdoB é uma grande honra contar com um quadro como o Jura em nosso Partido, tenho certeza que ele dará uma grande contribuição para o fortalecimento de nossa frente sindical”, comentou o vereador e presidente do diretório municipal do partido Rafael Purgato.

Roque toma posse na gerência regional do Trabalho e Emprego

 DSC_0062

Nesta quinta-feira, dia 29, o ex-auditor fiscal Roque de Camargo Junior, 47 anos, foi empossado oficialmente pelo Superintendente Regional do Trabalho e Emprego, Luiz Antônio de Medeiros, como o novo Gerente Regional do Trabalho e Emprego de Jundiaí e Região. A cerimônia ocorreu na Associação dos Aposentados e Pensionistas e contou com a presença de representantes do movimento sindical, patronal, Ministério Público, OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Câmara dos Vereadores e do prefeito e vice-prefeito de Jundiaí, Pedro Bigardi e Durval Orlato, respectivamente, além da sociedade civil.

O nome de Roque como o novo gerente regional do trabalho e emprego de Jundiaí e região foi uma indicação unânime do movimento sindical da cidade, porém conforme o diretor estadual da CUT, Vitor Machado, declarou “não foi o movimento sindical que o colocou no cargo, mas sim a capacidade e competência dele para assumir”. Medeiros elogiou a união dos sindicatos de Jundiaí, mas fez um alerta ao novo gerente que o apoio unânime na cidade lhe dá mais estrutura, porém aumenta a responsabilidade do cargo. “As pessoas vão cobrar mais”, disse.

Roque se emocionou no momento do discurso e fez questão de avisar que o cargo não é dele, mas sim do Ministério do Trabalho, e principalmente pertence a sociedade e o trabalhador. “Durante a fase de transição do cargo, fiquei feliz pela indicação de meu nome pelos movimentos sindicais e principalmente pela aceitação de meus colegas e do superintendente”, declarou.

O desafio para o novo delegado regional do trabalho não será das mais fáceis, como lembrou o Procurador do Trabalho, Eduardo Luís Amgarten. “A dificuldade de gerenciar uma regional como a de Jundiaí é enorme, pois a cidade conta com uma quantidade de indústrias enorme e um comércio muito forte, mas colocamos a disposição o Ministério Público para ajudar nessa difícil tarefa”, afirmou.

Pedro Bigardi e Gerson Sartori também colocaram a Prefeitura de Jundiaí e a Câmara, respectivamente, para atender a classe trabalhadora. “Na próxima semana já vamos nos reunir com o Ministério do Trabalho para planejar ações que beneficie o trabalhador”, disse Bigardi.

Roque reconheceu que atualmente o Ministério do Trabalho tem problemas para atender a demanda do trabalhador, principalmente a falta de auditores fiscais para a região, porém afirmou que os problemas podem ser resolvidos com planejamento e inteligência. “Precisamos renovar as esperanças de que o Ministério do Trabalho possa sim cumprir com seus objetivos”, destacou. Porém Medeiros sinalizou que concursos públicos devem ser abertos nos próximos meses para preenchimento de vagas na instituição.

Assista ao vídeo de posse:

Pedro Bigardi assume compromissos com sindicalistas

DSC_0069

Prefeito de Jundiaí se reúne pela primeira vez com o movimento sindical desde que assumiu a administração e pretende manter um diálogo maior com todos os sindicatos.

O prefeito de Jundiaí Pedro Bigardi (PCdoB) se reuniu pela primeira vez, desde que assumiu a administração, com o movimento sindical da cidade. A reunião intersindical ocorreu na sede do Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e Região na última terça-feira, dia 6, e contou com a presença de aproximadamente 60 sindicalistas de 20 sindicatos diferentes, ligados a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e Força Sindical, UGT ( União Geral dos Trabalhadores).

Bigardi assumiu o compromisso em abrir espaço no governo municipal aos sindicalistas participarem de propostas relacionadas ao trabalho, emprego e renda, inclusive, o prefeito demonstrou interesse em criar uma secretaria para tratar sobre estes assuntos, além de retomar os trabalhos Conselho Municipal de Emprego e criar o conselho de Transporte e Tarifa. O movimento também pede maior autonomia aos serviços do PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador) e Banco do Povo.

O movimento sindical demostrou insatisfação a atuação do Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador) na cidade. O movimento pede a mudança radical neste órgão, incluindo a troca da direção e uma localização de melhor acesso aos trabalhadores. “Hoje o Cerest está parado e encontramos dificuldade de relacionamento com a atual direção, além disso, é um absurdo manter o prédio em uma área nobre pagando um aluguel alto e de difícil acesso ao trabalhador”, disse José Vitor Machado, diretor estadual da CUT.

Pedro Bigardi concorda que a atuação do Cerest está ruim e será mudado. “A mudança do Cerest e sua direção já está decidida”, afirma o prefeito, que esteve acompanhado pelo vice Durval Orlato (PT). Os vereadores petistas Paulo Malerba e o presidente da Câmara, Gerson Sartori, também compareceram.

Para o presidente do Sindicato dos Gráficos, Leandro Rodrigues, a reunião foi positiva no sentido de restabelecer um canal de conexão com a administração municipal. “O movimento sindical possui várias demandas no sentido de ajudar o governo a levar a cidade para frente”, declara.

Berzoini afirma que reforma trabalhista é prioridade para o Brasil

DSC_0056

O deputado federal Ricardo Berzoini (PT) foi o destaque da segunda rodada de debates do Fórum do Trabalho, evento promovido pelo vereador Paulo Malerba (PT). Nesta edição sobre “Modernizar a CLT?”, participaram o prefeito Pedro Bigardi (PCdoB), o vice-prefeito Durval Orlato (PT) e o presidente do Iprejun (Instituto de Previdência do Município de Jundiaí) Eudis Urbano dos Santos.

A CLT como o nome próprio diz é a “Consolidação das Leis do Trabalho” e foi criada através de decreto em 1943 pelo então presidente Getúlio Vargas, durante o Estado Novo. Entendendo que a mesma está relativamente antiga e a consideram a legislação trabalhista mais rígida do mundo, há constantes debates no intuito de promover uma reforma na lei para flexibilizá-la.

Berzoini que foi ministro da Previdência Social (2003/2004) e ministro do Trabalho e Emprego (2004/2005), alerta que é preciso ter cuidado quando se fala em modernizar a CLT, pois há um lobby muito forte do setor empresarial em acabar com os direitos trabalhistas. “Usam o exemplo do crescimento da China como argumento”.

O ex-ministro também afirmou que a CLT é um organismo vivo em constante evolução e não um objeto de bronze. “Ela já foi várias vezes transformada para o bem e para o mal”. Ele citou como exemplo recente e positivo a PEC das Domésticas.

Para Berzoini a prioridade para o Brasil é um reforma trabalhista ampla, que envolva um debate para a política industrial, tributária e avanço tecnológico.