TEMER FRUSTRA UNIÃO GERAL DOS TRABALHADORES E FORÇA SINDICAL QUE CRITICAM REFORMA PREVIDENCIÁRIA

temer

Representantes das centrais terão reunião nesta terça¬feira (6) para discutir as reações ao texto que muda as regras de aposentadorias de funcionários públicos e de empresas privadas. O governo pretende enviar tal reforma hoje para o Congresso Nacional. Se aprovada, a idade para se aposentar vai aumentar, bem como o tempo de contribuição do trabalhador ao INSS.  O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Juruna, disse ter se sentido “frustrado” por não ter recebido detalhe da proposta do governo. Ele prevê mobilizações a partir de janeiro de 2017 contra alterações nas regras de aposentadoria. O presidente da Força Sindical, deputado Paulinho da Força (SD¬SP), foi enfático ao dizer que do jeito que está, a reforma não passa no Congresso. Paulinho até agora estava como um dos principais aliados do governo do presidente nesta reforma. Porém, o parlamentar/sindicalista questionou o por que o governo não apresentou os detalhes deste projeto durante uma reunião ontem. “Não faltou reunião, o que faltou foi detalhe da proposta”, destacou. “Viemos conhecer a proposta, mas o governo não apresentou nenhuma”, disse. O presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores), Ricardo Patah, afirmou que as explicações do governo foram “falas bastante tímidas”. “Fomos contrários a mudanças na regra do jogo para quem está em atividade”, disse, reforçando o desejo das centrais de que as novas regras sejam aplicadas apenas para quem ainda não entrou no mercado de trabalho. Ele lembrou da proximidade das eleições de 2018 e disse que as centrais pretendem conscientizar os deputados e senadores para fazer “mudanças adequadas”.

FONTE: Com informações da FolhaSP