TEMER LIBEROU MAIS VERBAS A POLÍTICOS NESTE MÊS DA REFORMA TRABALHISTA DO QUE EM TODO O 1º SEMESTRE

Somente neste mês, período da aprovação da reforma trabalhista (desmonte dos direitos trabalhista na CLT), o governo federal liberou R$ 2,1 bilhões em emendas parlamentares – sendo 82% desse valor para a Câmara dos Deputados, que avalia denúncia contra Temer. E, para quem acredita em coincidências, a CCJ da Câmara rejeitou parecer que recomendava admissibilidade da denúncia contra Michel Temer. O fato é que mais de a metade dos recursos destinados a emendas parlamentares  neste ano foi liberada pelo governo federal nas primeiras semanas deste mês, às vésperas da votação que terminou em vitória do presidente Michel Temer  na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. De acordo com levantamento da ONG Contas Abertas, o Planalto empenhou R$ 4,1 bilhões para  emendas parlamentares em 2017. Desse montante, R$ 2,1 bilhões foram liberados somente neste mês. Os dados consideram o empenho, isto é, a reserva de recursos para emendas individuais às despesas do Orçamento Geral da União (OGU). 

Ainda segundo a organização não-governamental, os deputados federais abocanharam a maior parte do total liberado em emendas neste ano. Ao menos 82% dos recursos (R$ 3,5 bilhões) foram destinados a iniciativas dos parlamentares da Câmara dos Deputados , ficando o restante senadores. As bancadas estaduais que mais se beneficiaram com a liberação dos recursos são a do Maranhão, de Roraima e do Rio Grande do Norte.

A ONG Contas Abertas já havia denunciado anteriormente a estratégia do governo federal  de liberar recursos para emendas visando impedir que a denúncia contra o presidente Michel Temer seja autorizada a ir a julgamento no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Na ocasião, o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão divulgou nota informando que a medida “trata-se de procedimento absolutamente normal”.

FONTE: Com informações do Último Segundo