TEMER QUER MUDAR PROGRAMA PARA DOBRAR REDUÇÃO DE SALÁRIO. QUER AMPLIAR A ‘FACADA’ DE 15% PARA 30%

PASSE

Para aqueles que ainda têm dúvidas que o presidente interino será pior para os trabalhadores que a sua antecessora na Presidência do Brasil, uma fonte do novo governo acaba de dizer à agência internacional de notícia Reuters que, até setembro, reeditará o Programa de Proteção do Emprego (PPE) da gestão Dilma. Sendo que com Temer,  ao invés do trabalhador perder até 15% do salário, como é o PPE original, a redução agora será dobrada para 30%. Dilma permitia a redução de até 30% da jornada de trabalho e salário, mas o empregado recebia de volta metade deste valor pago pelo governo via o Fundo do Amparo do Trabalhador. Com Temer, não haverá mais isto, pois entende que o trabalhador deve sozinho arcar com esta crise econômica e do setor produtivo nacional. A Confederação Nacional dos Gráficos (CONATIG) repudia esta intenção de piorar o PPE para prejudicar ainda mais os trabalhadores no Brasil, que, ao invés de protegê-los, o novo governo nem reduz o desemprego e ainda prejudicará a vida daqueles que trabalham com o menor salário.

temer“Essa intenção de piorar o PPE mostra para os trabalhadores quais as reais intenções do governo Temer: cobrar a conta da crise sobre eles”, diz Leonardo Del Roy, presidente da CONATIG, crendo que milhares de empregados que apoiavam a saída de Dilma, com o apoio da FIESP, já sentem que foram enganados. Ele lembra que à época a FIESP dizia aos empregados que estes não pagariam o pato com a saída de Dilma. Mas, na verdade, já tinham por trás o Projeto Ponte para o Futuro para Temer aplicar quando assumisse a Presidência. Este projeto acumula tudo o que tem de pior para os trabalhadores e de melhor aos patrões. Tem até terceirização da mão de obra, bem como o projeto Negociado sobre o Legislado, que permite patrões rebaixar leis da CLT e direitos da Convenção Coletiva de Trabalho dos gráficos e demais categorias.

É por isso que Temer quer piorar o PPE, que se mostra bem nocivo aos trabalhadores, já que não garante o emprego na prática, que cresceu de julho do ano passado para o mesmo período deste ano. “Subiu de 8,3% para 11,3%, o que equivale a 11,5 milhões de desempregados” diz Leonardo Rodrigues, secretário da CONATIG para a Região Sudeste. “Além de não reduzir o desemprego, como prometeu, Temer ao piorar o PPE quer prejudicar a situação também de quem continua trabalhando”, critica Del Roy. E isso acontecerá porque ele não quer pagar os 15% de volta no salário descontado com o PPE, mas quer o desconto integral de 30%, piorando o Programa que só descontava 15% no final de tudo.

temer1Reação urgente

O presidente da CONATIG alerta que só resta uma saída para a classe trabalhadora contra todo este retrocesso proposto pelo governo ainda interino, que se tornará oficial se a presidente Dilma tiver o impeachment consolidado pelo Senado no final deste mês. “Ou as centrais sindicais e todos os sindicatos dos gráficos e todas as categorias profissional neste país se unificam efetivamente, ou o arrocho e retrocesso será grande”, enfatizou o dirigente na Avenida Paulista durante a sua participação no  protesto das centrais, chamado de Dia Nacional de Luta contra Temer.

Apesar da CONATIG se manter independente sobre o mérito do afastamento de Dilma, o presidente da CONATIG declara que se  consolidar este projeto da Ponte para o Futuro do Temer (com todo este retrocesso já proposto mesmo ele sendo apenas o presidente interino, mas que poderá se tornar oficial se Dilma tiver o impeachment consolidado pelo Senado nos próximos dias), restará somente uma saída para a classe trabalhadora: “Ou as Centrais Sindicais e todos os Sindicatos dos Gráficos e todas as classes profissionais neste país se unificam efetivamente, ou o arrocho e retrocesso gerará um enorme prejuízo para os trabalhadores”, enfatizou Del Roy na Avenida Paulista durante o protesto das centrais, chamado de Dia Nacional de Luta contra estas propostas de redução de direitos.