CARESTIA DEMANDA AUMENTO DO VALE-ALIMENTAÇÃO EM QUASE TODAS AS GRAFICAS, COMO NA ALPHA EM VALINHOS

Qual o preço do voto? Um deles pode ser visto e sentido pelas empresas e os trabalhadores diante do alto custo de vida pelo descontrole da inflação. Em pouco mais de um ano, a cesta básica da convenção dos gráficos quase que dobrou de preço. Hoje está em R$ 196 nas cidades de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região. E, sempre que aumenta o preço dos alimentos, as gráficas precisam atualizar o valor do vale-alimentação, como define a convenção. É por isso que a Alpha Clicheria, em Valinhos, mesmo sempre tendo um bom diálogo com o Sindigráficos, foi procurada pela entidade de classe para atualizar o valor – situação já respondida pela empresa dizendo que chegará a um bom termo sobre o referido assunto.

A empresa tem sentido o impacto da alta inflação do desgoverno federal. Tanto é que paga vale-compras com valor abaixo da alta dos alimentos da cesta básica dos gráficos cobrados nos supermercados da região. Ao invés de R$ 196, paga R$ 120 – valor insuficiente devido à carestia de Bolsonaro/Paulo Guedes. Apesar disso, pela regra da convenção, precisa atualizar o valor. Assim, o governo tem prejudicado a todos.

 O impacto disso sobre o empregado é ainda maior diante do desgoverno em relação ao poder de compra dos trabalhadores. Além da carestia, o governo também está reduzindo a massa salarial. No seu primeiro ano de mandato, eram necessários 4,39 salários mínimos para comprar uma cesta básica de alimentos definida pelo Dieese e agora são 5,5 salários. Portanto, além do desgoverno sobre o controle inflacionário, também não liga para o salário dos trabalhadores, que perdeu o poder de compra até para alimentar os seus familiares.

É por isso que o Sindigráficos oficiou a Alpha Clicheria para a necessidade dela se reunir rápido para tratar da atualização do vale-alimentação com base nas regras da convenção coletiva de trabalho da categoria. A empresa já sinalizou o interesse pela abertura dos diálogos. O sindicato aguarda para tratar da pendência, bem como da interação dos gráficos do local junto da entidade de classe.

Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos, lembra ao conjunto dos trabalhadores que, apesar da alta da inflação e carestia, não existe no Brasil política de reajuste salarial automática. O valor só cresce com base no nível de união, organização e de luta dos trabalhadores no seu sindicato durante a campanha salarial, mas também antes e depois. Portanto, qualquer melhoria seja no vale-alimentação ou nos salários depende da participação da classe. Seja mais um sócio. SINDICALIZE.

A data-base da maioria dos gráficos paulistas, como todos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região, é em 1° de setembro. Todavia, em função do descontrole inflacionário do governo, que deve chegar a 13% no período, demandará uma luta bem maior que em anos anteriores. Não por acaso o Sindigráficos já começa, neste mês, as assembleias preparatórias com toda a categoria para debater a sua pauta de reivindicação e estratégias. Seja sócio. Sindicalize-se e Participe.