NA LUTA PELA VIDA, SINDICATO BUSCA COM PREFEITOS DAS CIDADES DA REGIÃO VACINA PARA GRÁFICOS. COMEÇA POR JUNDIAÍ

No último dia 7 completou um ano da publicação do decreto do governo federal que incluiu a indústria na lista de atividades essenciais durante a pandemia. No período o Sindigráficos, que não se escondeu do seu papel constitucional de defender da classe, já mantinha pleno funcionamento sindical e buscava a proteção da vida dos gráficos ao pedir para as empresas licenças e férias remuneradas para os grupos de risco e os protocolos de segurança contra a covid-19 para quem trabalhava. No decorrer do ano, buscou também reduzir os efeitos nefastos de medidas governamentais sobre a renda do trabalhador e ainda lutou para aumentar o salário em 2,94% e garantir a PLR para todos. Todavia, com a recente decretação do estado de emergência nacional também para 2021 devido à continuidade da crise sanitária, com o agravamento maior diante das mortes (média diária de 3,1 mil) e contágios, o gráfico está ainda mais exposto no seu trabalho.

Portanto, como o setor da indústria também está na lista de prioridade da vacinação diante do alto risco de contaminações, e para evitar inclusive a interrupção da essencial atividade gráfica, o Sindigráficos buscará hoje o prefeito de Jundiaí, Luiz Machado (PSDB) para que ele possa incluir a classe no calendário vacinal do município. “Esperamos ser recebidos e que a reivindicação seja garantida. A nossa luta continua sendo também pela vida do gráfico. E a vacinação é hoje a única forma para evitar a morte pela covid, que mata mais de 3 mil todo dia pela irresponsabilidade do governo Bolsonaro. Na sequência, vamos buscar contato também com os prefeitos de Cajamar (Danilo Joan – PSD), Caieiras (Lagoinha – MDB), Valinhos (Capitã Lucimara – PSD), Vinhedo (Dr. Dário – PTB) e de Itupeva (Marcos Marchi – PSD)”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Não resta dúvida nenhuma de que a indústria gráfica tem sido mesmo essencial na pandemia para evitar o desabastecimento de produtos de primeira necessidade que carecem de embalagens, rótulos, bulas e afins voltados para o mercado de alimentos, remédios, itens de higiene e para os setores agropecuários e etc. Dessa maneira, como o plano de vacinação nos municípios é construído pelos critérios da OMS, tendo ainda a sua viabilização operacional a priorização também das pessoas com maior risco de contaminações e voltados à preservação do funcionamento de serviços essenciais, justifica-se a vacinação dos gráficos.     

Portanto, a partir de hoje, o Sindigráficos encampa mais esta etapa da luta sindical em defesa da vida, emprego e da renda da categoria, começando por estes cinco municípios, uma vez que neles se concentra o maior número de gráficas e de trabalhadores, mas que seguirá até que todas as 29 cidades da base de atuação do sindical sejam atendidas. “Mais prefeitos serão acionados por nós e, esperamos que entendam a nossa urgência, que não é somente para os gráficos para que seu serviço essencial seja mantido para toda a sociedade neste momento pandêmico adverso”, esclarece Leandro.