PODER PÚBLICO É ACIONADO PELO SINDIGRÁFICOS CONTRA A ESDEVA APÓS ELA DEIXAR CAJAMAR SEM A QUITAÇÃO DE TUDO QUE DEVE AOS GRÁFICOS, INCLUSIVE AS MULTAS PELO PARCELAMENTO DAS VERBAS

As suspeitas do Sindigráficos de que a unidade de Cajamar da gráfica Esdeva se preparava para sair do município depois de ter entrado em recuperação judicial foi confirmada. A empresa mineira, que continua devendo as verbas rescisórias de muitos trabalhadores demitidos, começou a se instalar no bairro da Fazendinha em Santana do Parnaíba, cidade situada em outra região do estado de São Paulo. Com essa mudança, o Sindicato não terá mais a representação da categoria no novo local. Porém, ainda assim, o Sindigráficos está dando as últimas orientações à categoria e agindo em defesa dos sindicalizados que trabalharam e a todos aqueles que ainda laboram na Esdeva em Cajamar/SP, e que estão recebendo seus direitos trabalhistas parceladamente e sem as devidas multas quando o pagamento não é integral.

O sindicato foi a Secretaria das Relações de Trabalho e Emprego (SERTE/SP) e denunciou o problema generalizado. Lá, foi orientado a encaminhar a queixa para a Gerencia Regional do Trabalho de Jundiaí, entidade onde foi solicitado um pedido de fiscalização trabalhista onde a Esdeva está sendo instalada.

Além disso, o sindicato também orienta a todos os gráficos associados afetados a consultarem o Departamento Jurídico do Sindigráficos, até o dia 21/12, pois depois desta data o Poder Judiciário entrará em recesso, e só retornará no final de janeiro.

Novas denúncias ao Sindigráficos apontam que mais demissões estão ocorrendo e a Esdeva tem firmado novos acordos de parcelamento das verbas rescisórias sem a multas prevista no Art 477 da CLT. “É importante que os sindicalizados procurem o jurídico do Sindicato até dia 21”, diz Leandro. Na ocasião, serão analisadas as verbas e como elas estão sendo pagas. De todo modo, dada a mudança da Esdeva para uma outra região do estado, o Sindicato já solicitou que a empresa seja fiscalizada.

A empresa voltou a ser denunciada por atrasos nos salários e pendências até na primeira parcela do 13° dos gráficos. Faltam, também, o recolhimento do FGTS dos profissionais que continuam lotados em Cajamar. Mesmo o Sindigráficos cobrando da empresa uma resposta, ela não respondeu. Razão pela qual será fiscalizada a pedido sindical. Bom lembrar, ainda, que, a gráfica está em recuperação judicial e de mudança territorial, por isso se aproveita da situação. Mas o Sindicato lutará em defesa dos direitos da categoria enquanto restar um único gráfico na base de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região. Seja um sócio. Fortaleça nossa luta.