RETROSPECTIVA 2022: SINDIGRÁFICOS MOSTRA QUE SÓ JUNTO DA CATEGORIA E NA LUTA COLETIVA É POSSÍVEL SUPERAR DESAFIOS, MESMO SOB ATAQUES

2022 iniciou com dificuldades ainda maiores para manter a organização sindical dos gráficos em defesa de seus salários e direitos do que a dos últimos anos em função dos efeitos da pandemia e impactos estruturais causados pela reforma trabalhista e ainda pela alienação política sobre parte da categoria estimulada pelo governo do descaso e da carestia. Frente a tantos desafios, ao invés de omissão diante às limitações postas, o Sindigráficos decidiu apostar tudo na organização da categoria, ainda mais presente na base, conseguindo manter os gráficos na direção da luta em defesa de seus direitos e salários por mais um ano. 

Em síntese, esteve mais junto das bases do que em anos anteriores até a pandemia. O jornal Gráficos na Luta passou a ser entregue bimestralmente. Elevou o contato direto entre os trabalhadores com os sindicalistas na porta das gráficas, oportunizando as demandas diretas da categoria enfrentadas no dia a dia nas empresas. Cresceu, com isso, a atuação do sindicato por empresa. Evitou-se o descumprimento dos direitos coletivos, bem como a sua devida aplicação e até melhorias. 

Foram muitas lutas com os gráficos, mas na maioria das vezes ainda sem eles. O resultado sempre foi do tamanho da participação dos trabalhadores. Todavia, foram dezenas de ações em 2022 para a garantia da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. A CCT tem mais de 80 direitos acima da CLT. Dentre os bons resultados, destaca-se a correção do valor do vale-compras diante da carestia em dezenas de empresas. Evitou-se até que a refeição fosse tirada na Emepê.

Muitas empresas foram visitadas pelo Sindicato para realizar o devido enquadramento enquanto gráfica e sem a necessidade de judicialização. Com isso, centenas de profissionais passaram a receber renda e direitos conforme os demais gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região. 

Houve luta sindical e conquistas até em relação ao transporte coletivo, melhorando itinerário e horários em benefício dos gráficos da Rami. Teve a mobilização do sindicato, com o apoio dos gráficos da Jandaia, frente à falta de sinalização de trânsito em frente à empresa; hoje resolvida. A melhoria do valor do auxílio-gasolina para os trabalhadores da Bercrom e a luta pelo vale-transporte solidário junto com centrais sindicais, pleito ainda em debate até ser conquistado.

Apesar da crise econômica, inflação e carestia provocadas pelo governo de plantão, o que dificultou todas as tratativas na campanha salarial de 2022, o Sindigráficos não abriu mão de se manter na luta constante para evitar mais um ano de prejuízo para a categoria. Com isso, conseguiu restabelecer duas parcelas da PLR e garantiu até o reajuste desde direito econômico, congelado por anos. A luta do sindicato conquistou ainda a manutenção de todos direitos acima da CLT e a recuperação das perdas salariais diante da alta inflação anual.

Todavia, para não retroceder no que foi possível manter e conquistar neste ano e para dar mais condições ao Sindigráficos para a entidade da categoria manter a organização da classe neste caminho em 2023, os gráficos precisam pensar maior e se prepararem bem mais para os novos embates. Isso não acontece sem os trabalhadores se centrarem na principal missão de 2023, que será focar no fortalecimento do Sindigráficos – entidade que só conseguirá existir e funcionar através da direção eleita se houver maior participação ativa dos trabalhadores e sindicalização em peso. Seja sócio. Sindicalize-se!